Empresas

Padaria Portuguesa vai fornecer outras padarias no país

Padaria Portuguesa
Padaria Portuguesa

A Padaria Portuguesa vai abrir um canal de vendas de pães e bolos para fornecer operadores selecionados em Portugal.

A Padaria Portuguesa vai abrir um canal de vendas para fornecer outros operadores em Portugal. A estratégia faz parte de um plano de investimento até 2022 baseado em três eixos: segmentos dos almoços, canal wholesale e expansão da rede de lojas.

Com oito anos de mercado, 60 lojas em Lisboa e mais de 1200 colaboradores, a Padaria Portuguesa espera alcançar um volume de negócios de 65 milhões de euros em 2022.

Através da fábrica em Marvila, a padaria vai abrir um canal de vendas de pães e bolos para fornecer outros operadores em Portugal e, potencialmente, noutros mercados.

O plano passa também por reforçar o programa de almoços com uma gama de refeições quentes e receitas caseiras. “Cerca de 70% dos almoços na Grande Lisboa são consumidos fora de casa, e nós queremos ganhar quota oferecendo soluções de conveniência, com base em receitas absolutamente caseiras, servidas numas inovadoras caixinhas em balsa, 100% biodegradáveis, que podem ser consumidas nas nossas lojas ou on the go”, explica Nuno Carvalho, fundador e CEO da Padaria Portuguesa.

A rede de lojas irá expandir-se em Lisboa mas também em outras geografias do país, indica a empresa em comunicado sem avançar quais as novas localizações.

A Padaria Portuguesa continua também a apostar na formação através da sua Academia inaugurada no final do ano passado.

Nos próximos três anos, será ainda reforçado o trabalho de gestão de desperdício alimentar, nomeadamente, através de uma parceria com a Refood, que inaugurou recentemente uma operação num espaço cedido pela Padaria Portuguesa no Parque das Nações.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O empresário Joe Berardo à chegada para a sua audição perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A “golpada”, a falta de património e o risco todo no lado da CGD

Luís Castro Henriques .
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Luís Castro Henriques: “Portugal já não é um país de burocratas”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Padaria Portuguesa vai fornecer outras padarias no país