Jogos de fortuna e azar

Paddy Power Betfair aguarda revisão da lei do jogo online para operar no país

A Paddy Power Betfair tem mais de seis milhões de clientes ativos no mundo. Fotografia: D.R.
A Paddy Power Betfair tem mais de seis milhões de clientes ativos no mundo. Fotografia: D.R.

A Paddy Power Betfair vê oportunidades para entrar no mercado português de jogos online. Para já, tem a tecnológica Blip, onde já investiu 72 milhões

A Paddy Power Betfair, um dos grupos líder mundial em apostas e jogos desportivos online, “está interessada em obter uma licença de jogo em Portugal”. O grupo, que está cotado na London Stock Exchange, marca presença no país através da Blip, empresa de tecnologias de informação adquirida em 2012. A explorar licenças de jogo em 12 países aguarda, agora, pela revisão do regulamento do jogo online, que está a ser levada a cabo pelo Governo português, para confirmar a sua aposta no país.

A Paddy Power Betfair está interessada em explorar licenças de jogo que permitam aos jogadores apostarem entre si, modalidade que em Portugal não está autorizada. O sucesso do grupo no Reino Unido, onde é líder no mercado de apostas, deve-se nomeadamente à permissão desse género de apostas. O Reino Unido e a Irlanda representam perto de 60% da receita total do grupo.

“O desempenho do mercado de jogos de azar online em Portugal mostra que existe uma margem de crescimento, que permitirá a entrada de novos produtos no mercado e uma revisão da tributação em linha com a de outras jurisdições”, defende Hélder Costa, diretor de desenvolvimento da Blip.

Para a Paddy Power Betfair, “ainda há espaço significativo para o mercado crescer, se nos permitirem novos produtos e a revisão da tributação”. E defende: “A nossa experiência em outros mercados diz-nos que a regulação precisa de responder às exigências dos clientes em termos de gama de produtos, de inovação e de estruturas” ou “esses clientes serão perdidos para o mercado não regulamentado”.

O grupo, que contabiliza mais de seis milhões de clientes ativos em todo o mundo, opera com as marcas principais Paddy Power, Betfair, Sportsbet e TVG e secundárias Timeform, Draft e Airton Risk. O seu negócio estende-se também à exploração de 620 lojas de apostas da Paddy Power no Reino Unido e Irlanda. No ano passado, as vendas atingiram 1,7 mil milhões de libras (cerca de 1,9 mil milhões de euros ao câmbio de hoje).

Um braço tecnológico e português
A Blip, empresa fundada por engenheiros portugueses, é hoje um dos braços tecnológicos da Paddy Power Betfair. Como afirma Hélder Costa, “hoje é um reconhecido hub tecnológico a nível mundial”, “uma peça-chave da Paddy Power Betfair ao contribuir para o desenvolvimento dos produtos usados nas operações do grupo a nível europeu”. Desde a aquisição da Blip, a Paddy já investiu 72 milhões de euros em Portugal.

A Blip trabalha unicamente para a casa-mãe e desenvolve software à medida para web e mobile para o mercado das apostas online. Este ano, as vendas e prestações de serviços devem gerar 18,5 milhões de euros, previsão que a concretizar-se significará um crescimento de 7% face a 2017. A empresa, com escritório no Porto, emprega 252 pessoas (96% da área tecnológica) e tem planos para contratar mais 40 a breve trecho.

Segundo Hélder Costa, a Paddy Power Betfair “decidiu que 2019 será um ano em que vários projetos estratégicos terão que ser executados e a Blip terá um papel fundamental para dar vida a esses projetos”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Carlos Costa empregos legislatura

Banco de Portugal. Exportações complicam vida da economia até 2021

Alojamentos locais dominam no centro histórico de Lisboa. Fotografia: Orlando Almeida/ Global Imagens.

Turismo é bom, mas também traz precariedade e degradação do património

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Alojamento local já é quase do tamanho do sector hoteleiro

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Paddy Power Betfair aguarda revisão da lei do jogo online para operar no país