estacionamento

Pagar estacionamento no Porto já é possível com telemóvel

Novos parquímetros no Porto. Fotografia: D.R.
Novos parquímetros no Porto. Fotografia: D.R.

Quem paga parquímetro com moedas terá de passar a inserir número de matrícula

A gestão de estacionamento na cidade do Porto mudou e, a partir de hoje, passa a existir uma novidade na forma de pagamento: para quem quiser aderir, há uma aplicação de telemóvel para pagar o estacionamento.

As mudanças acontecem na altura em que a concessionária privada EPorto inicia a gestão de estacionamento na via pública na cidade, “um modelo que pretende trazer maior mobilidade e organização a todos os residentes e visitantes do Porto”, revelam os responsáveis.

E a grande novidade da Eporto é a Telpark, uma aplicação que ser utilizada para pagar o estacionamento por telemóvel. Esta aplicação, explica a concessionária, é uma forma de terminar com as moedas e os recibos na hora de estacionar – basta o registo na app para que o tempo cobrado possa ser controlado quer pelo utilizador quer pela entidade responsável.

Outra das novidades no sistema de pagamento dos parquímetros é que, além da introdução das moedas conforme o tempo pretendido, o cliente terá de colocar também a matrícula do veículo, o que fará com que não seja necessária a colocação do bilhete no interior da viatura.

A concessionária também já elaborou os tarifários para moradores e zonas. Assim, nas zonas agora taxadas pela Eporto poderão usufruir de uma até três avenças de residente por fogo, com o custo a oscilar entre os 25 (1.ª avença), 100 (2.ª avença) e 300 euros anuais (3.ª avença).

Hospital de Santo António, Cedofeita, Guindais, Sé, Cordoaria e Alfândega serão taxadas a 50 cêntimos por hora, ao passo que as zonas de Aliados, Bolhão, Batalha, Carlos Alberto, Trindade, Mouzinho e Ribeira terão uma tarifa de um euro por hora.

Recorde-se que o projeto de estacionamento para o Porto assenta em três preocupações fundamentais para o município e para os cidadãos: mobilidade, sustentabilidade e poupança.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Empresas com quebras de 25% vão poder pedir apoio à retoma

Balcão da ADSE na Praça de Londres em Lisboa.

( Jorge Amaral/Global Imagens )

ADSE quer 56 milhões do Orçamento do Estado por gastos com isentos

Fotografia: Miguel Pereira / Global Imagens

Quase 42 mil empresas recorreram a apoios que substituíram lay-off simplificado

Pagar estacionamento no Porto já é possível com telemóvel