Automóvel

Parceria BMW/Critical Software com 600 pessoas ainda em 2019

(REUTERS/Eva Plevier)
(REUTERS/Eva Plevier)

Aliança entre portugueses e alemães permite desenvolvimento de tecnologias na área automóvel, através do consórcio Critical TechWorks.

A BMW e a Critical Software já estão a preparar a próxima etapa do consórcio para desenvolvimento de tecnologias na indústria automóvel. Alemães e portugueses querem ter 600 pessoas na Critical TechWorks até ao final de 2019 e já admitem que podem chegar aos 1000 funcionários nos próximos anos. As duas empresas inauguraram esta quarta-feira as novas instalações da Critical TechWorks em Lisboa.

“Percebemos que Portugal tem muito talento na área tecnológica e pensamos neste projeto a longo-prazo. Queremos ficar aqui por muito tempo”, assinalou durante a cerimónia de apresentação Christoph Grote, vice-presidente do grupo BMW para a área eletrónica.

Graças ao consórcio entre o grupo BMW e a tecnológica portuguesa, é possível desenvolver soluções para os automóveis do futuro da empresa de Munique. Em Lisboa, está a ser desenvolvimento o HMI, um assistente pessoal que faz a ligação entre o carro e o condutor. No Porto, além deste sistema, há novas ferramentas a nascer para ajudar na produção dentro do Grupo BMW. Já há 350 pessoas a trabalhar nos dois escritórios da Critical TechWorks em Portugal.

A equipa portuguesa “está em contacto permanente com os escritórios da Alemanha, Estados Unidos, África do Sul e China”, destacou Klaus Straub, o responsável de inovação do grupo BMW.

Leia mais: BMW e VW preparam-se para reforçar investimento em Portugal

O edifício junto à estação de Entrecampos ocupado pela Critical TechWorks também será ocupado pela Critical Software, a empresa tecnológica portuguesa fundada em 1998 em Portugal por Gonçalo Quadros.

O engenheiro português, durante a apresentação, fez notar que a Critical Software “tornou-se numa grande escola de engenharia, onde queremos que estejam os engenheiros mais fantásticos do planeta e que aqui possam evoluir como em mais nenhum outro lugar”.

Os principais grupos automóveis alemães escolheram Portugal nos últimos dois anos para apostar no desenvolvimento de soluções para a digitalização desta indústria.

A Daimler conta o centro Mercedes.io desde maio de 2018 e que dará emprego, no médio-prazo, a 300 programadores em Lisboa.

O grupo Volkswagen também inaugurou o seu centro de desenvolvimento de software em Lisboa, onde terá nos próximos anos uma equipa de 300 pessoas para criarem soluções para o grupo.

Tendo em conta estas apostas, o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, notou que o país está a firmar-se como um “destino de sucesso de investimento e de instalação de captação na área de software”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

LUÍS FORRA/LUSA

Dia 6. 50 euros dividem patrões e motoristas

O advogado e porta-voz do sindicato nacional dos motoristas, Pardal Henriques. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Sindicato: “Queremos bases bem definidas para iniciar negociação”

Outros conteúdos GMG
Parceria BMW/Critical Software com 600 pessoas ainda em 2019