Privacidade

Deixe de dar às empresas (e bancos) o seu número de telefone. Faça isto

Unsplash
Unsplash

Facebook e Twitter admitem que os profissionais de marketing têm acesso aos números de telefone. Veja como se proteger sem entregar o seu número

Primeiro o Facebook e agora o Twitter. Esta semana o Twitter admitiu que permitia aos profissionais de marketing aceder aos números de telefone dos utilizadores registados no site. Muitos deram os seus números para ficarem com a autenticação de dois fatores (2FA) – o processo em que um site envia uma mensagem de texto para verificar a sua identidade. No entanto, os utilizadores não perceberam que também estavam, assim, a permitir que profissionais de marketing confirmassem quem eles eram. A partir da identificação, estes profissionais podem criar perfis de publicidade que incorporam nos dados de cada utilizador.

A prática assusta muitos já que os números de telefone tornaram-se ferramentas poderosas para nos identificar e rastrear, não apenas para empresas, mas para quem deseja procurar as nossas informações pessoais armazenadas numa infinidade de registos públicos, como registos de tribunais, registo de eleitores, transações imobiliárias e registos de casamento.

A utilização das SMS para cenários de autenticação é mesmo desaconselhada pelos especialistas e estão fora das melhores práticas da indústria, como nos explicava o programador João Pina sobre a renovação do Cartão de Cidadão online.

O Twitter explicou que o que aconteceu foi um erro inadvertido e que já foi resolvido. A admissão não é novidade. O Facebook já tinha admitido usar indevidamente os números de telefone para segmentação de anúncios há cerca de um ano. “Para muitas pessoas, a autenticação de mensagens de texto é uma proteção razoável, que gera uma sensação de segurança”, diz Gennie Gebhart, investigadora em privacidade e segurança do consumidor na Electronic Frontier Foundation à Fast Company.

Felizmente, existem outras maneiras de proteger as suas contas online, sem deixar o número de telefone. O Facebook, o Twitter e a maioria dos sites permitem um segundo método 2FA que utiliza uma aplicação gratuita para gerar códigos de curto prazo para inserir no site e verificar a sua identidade, da mesma forma que funciona o código que lhe foi enviado por mensagem de texto.

Google, LastPass e Microsoft também fornecem aplicações autenticadoras gratuitas para Android e iOS – mais recentemente foi a Apple a preparar uma solução que não envolve SMS. E os gestores de passwords como 1Password e Dashlane também incorporam uma função 2FA.

E se ainda precisar de um número de telefone?

Enquanto a maioria dos sites permite aplicações autenticadoras, alguns ainda estão bloqueados aos números de telefone. Mas há outra opção: em vez do número do seu telemóvel, forneça um número do Google Voice.

Há anos que a Google permite que as pessoas obtenham números de telefone virtuais gratuitos que podem receber chamadas e textos assim como um número real (pode aceder on-line ou encaminhar mensagens para outro telefone). O uso deles é uma ótima maneira de reduzir as chamadas telefónicas de spam e também garantir que a empresa não obtenha o seu número real para sempre (Um Gmail dedicado para spam é outra boa ideia).

No entanto, a Google exige um número de telefone real para realizar a sua inscrição no Google Voice. Mas se preferir, pode excluir o número nas suas definições, depois de configurar o serviço, embora isso signifique que não poderá ter as mensagens ou as chamadas encaminhadas para esse número. Ao contrário do Facebook, a Google afirma, pelo menos, que irá atender às solicitações dos utilizadores para excluir os seus dados.

De qualquer forma, quando preferir que alguma empresa tenha o seu número real, preste atenção aos bancos. Os bancos podem oferecer suporte a aplicações autenticadoras para 2FA ou trabalhar com um número do Google Voice.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Deixe de dar às empresas (e bancos) o seu número de telefone. Faça isto