aviação

Passageiros da Ryanair recebem cheques inválidos

(IvoPereira/Global Imagens)
(IvoPereira/Global Imagens)

Passageiros afetados com os atrasos e os cancelamentos de voos não conseguiram ainda ter acesso às compensações devido a um erro com os cheques.

Vários passageiros que exigiram indemnizações à Ryanair, devido a atrasos ou a voos cancelados, ficaram surpreendidos quando perceberam que o cheque que receberam não estava válido, uma vez que não estava assinado.

A companhia aérea low-cost justificou a situação com “um erro administrativo”. Na rede social Twitter, da empresa liderada por Michael O’Leary, a transportadora apresentou um pedido de desculpas pelo “reduzido número de cheques (menos de 190 entre os 20 mil cheques de compensação passados em julho)” inválidos e garantiu que foram emitidos novos cheques na semana passada.

 

Leia também: Imprevistos com voos? Exija o que tem direito

Desde abril que mais de um milhão de passageiros na Europa foram afetados com atrasos e voos cancelados, muito devido às greves dos trabalhadores, pilotos e tripulantes, que se têm manifestado contra a transportadora de forma a exigir melhores condições laborais.

Em setembro, haverá nova reunião de vários sindicatos europeus, em Roma, com o objetivo de avançar com mais medidas reivindicativas. As condições salariais, o direito de usufruto de licenças de parentalidade, o fim dos processos disciplinares com base nas baixas médicas ou nos objetivos inerentes às vendas de bordo, são alguns dos motivos que estão na base das reivindicações sindicais que têm despoletado as várias greves por parte dos trabalhadores da companhia aérea low-cost irlandesa.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
precários jovens licenciados

Jovens, precários e licenciados pagam ajustamento laboral da pandemia

Utentes à saída de um cacilheiro da Transtejo/Soflusa proveniente de Lisboa, em Cacilhas, Almada. MÁRIO CRUZ/LUSA

Salário médio nas empresas em lay-off simplificado caiu 2%

Uma funcionária transporta máscaras de proteção individual na fábrica de confeções Petratex, em Carvalhosa, Paços de Ferreira, 27 de abril de 2020. HUGO DELGADO/LUSA

Mais de 60% dos “ausentes” do trabalho são mulheres

Passageiros da Ryanair recebem cheques inválidos