aviação

Passageiros que compraram voos na Ryanair até agosto não pagam bagagem 

Fotografia: Ivo Pereira/Global Imagens
06.09.2018 / 16:56

Companhia dispensa o pagamento de bagagem de mão a quem tiver comprado bilhetes até 31 de agosto. Depois desta data, o pagamento é obrigatório.

A nova política da Ryanair, que exige o pagamento da bagagem de mão até 10 quilos, tem gerado controvérsia, até para a própria companhia aérea. A transportadora irlandesa anunciou esta quinta-feira, 6, que vai dispensar o pagamento desta bagagem a passageiros que tenham comprado os bilhetes até 31 de agosto.

Anteriormente, a companhia liderada por Michael O’Leary tinha anunciado que os passageiros sem embarque prioritário que tivessem reservado voos antes do dia 1 de setembro (para viajar a partir do dia 1 de novembro) teriam de pagar entre 8 a 10 euros pela bagagem de mão, podendo, em alternativa, cancelar a reserva e exigir o reembolso total.

A transportadora tem sido alvo de duras críticas com esta medida o que poderá ter estado na origem desta dispensa de pagamento aos passageiros que já tinham adquirido bilhetes à data do anúncio. De acordo com o comunicado emitido pela empresa irlandesa, há perto de 5 mil passageiros que tinham reservas efetuadas até 31 de agosto para viagens a partir de 1 de novembro e que adicionaram Embarque Prioritário. A companhia garante que, nestes casos, irá devolver o dinheiro.

Leia também: Sindicato e partidos acusam Governo de não agir no caso Ryanair

“A Ryanair continua a reduzir o preço das viagens, ao mesmo tempo que reduz também os atrasos nos voos provocados pelo volume de malas colocadas no porão durante o embarque através desta nova política de bagagem, em vigor a partir do dia 1 de novembro” refere o diretor de marketing da Ryanair, Kenny Jacobs.

Ainda assim, a partir de 1 de setembro, a política mantém-se igual e quem quiser viajar na Ryanair terá de se sujeitar ao pagamento de esta nova taxa, gratuita em todas as companhias aéreas, incluindo na concorrente easyjet.