Inovação

Pedidos de patente de Portugal cresceram quase 50% para 220 em 2018

Foto: EPO
Foto: EPO

O Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência do Porto foi a instituição que registou mais pedidos de patentes.

É um dos maiores crescimentos registados entre os 38 estados-membros do Instituto Europeu de Patentes (EPO) e o maior número de patentes registado anualmente. Em 2018, entidades portugueses registaram 220 pedidos de patentes no EPO, o que representa um crescimento de 46,7%, de acordo com o comunicado enviado às redações.

Portugal

As tecnologias na área dos transportes, química e farmacêutica foram importantes para esta evolução. “O principal crescimento dos pedidos de patentes com origem em Portugal junto do EPO ocorreu na área dos transportes (800%), o que engloba a indústria automobilística, engenharia química e química alimentar (estas últimas ambas com mais 200% de pedidos)”, pode ler-se no documento.

Olhando para as organizações que mais pedidos submeteram percebe-se que o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência do Porto (INESC Porto) foi a instituição que mais pedidos realizou ao longo dos 12 meses do ano passado. Foram nove no total, o que ajuda a explicar que o norte do país tenha sido responsável, em 2018, por cerca de 40% dos pedidos de patentes com origem em Portugal, mais 35% do que em 2017.

A segunda entidade que mais pedidos submeteu foi a Novadelta-Comércio e Indústria de Cafés, com sete pedidos. É já quase uma tradição que a empresa apresente pedidos para garantir a propriedade intelectual das suas descobertas. Apesar de em 2017 não estar presente na lista das cinco organizações nacionais que mais pedidos fizeram, em 2016 a companhia tinha apresentado 12 pedidos. E em 2015, cinco.

Além destas duas entidades, a Oli Sistemas Sanitários, a Universidade de Évora e a Universidade do Porto, submeteram, cada uma, seis pedidos em 2018. “Contrastando com a maioria dos países europeus, entre as cinco principais entidades portuguesas que apresentaram pedidos de patentes estão três laboratórios de investigação e instituições académicas. Este dado sublinha a relevância das patentes europeias na proteção dos investimentos em Investigação e Desenvolvimento (I&D) das instituições académicas”.

Em comunicado, António Campinos, presidente do EPO, afirma: “É com muito agrado que vejo o número de pedidos de patentes crescer de forma tão vigorosa no meu país. Estes últimos resultados anuais e o crescimento substancial dos pedidos de patentes de Portugal são um sinal da crescente força do país na inovação, investigação e desenvolvimento. As patentes são essenciais para fortalecer a competitividade do país e das suas empresas e um pré-requisito para o crescimento e a criação de empregos”.

Pedidos crescem na Europa

No total, no ano passado, o EPO recebeu 174.317 pedidos de patentes no Velho Continente, o que se traduz num aumento de quase 5% face a 2017. As firmas dos 38 estados-membros registaram mais de 3,8% de pedidos de patentes do que em 2017, “o que constitui o crescimento mais significativo nas patentes europeias desde 2010”.

Já os pedidos de patentes oriundos da China – a segunda maior economia do mundo – expandiram quase 9% – valor mais baixo deste país nos últimos cinco anos. “Os Estados Unidos da América permanecem o país de onde é originário o maior número de pedidos de patentes, com cerca de 25% do total dos pedidos apresentados em 2018, seguindo-se a Alemanha, o Japão, a França e a China”.

Aliás, a maioria dos países europeus registou mais pedidos de patentes no EPO em 2018, relativamente a 2017, com excepção da França e da Finlândia (menos 3,8%). “A tecnologia médica permanece a área técnica com mais pedidos de patentes apresentados ao Instituto Europeu de Patentes (registou mais 5% em 2018), mantendo-se a comunicação digital e as ciências da vida em segundo e terceiro lugar, respetivamente”.

Entre as empresas, a germânica Siemens foi quem mais registos apresentou: 2.493 pedidos de patente. A segunda entidade foi a chinesa Huawei que, em 2017, ocupava precisamente o primeiro lugar do pódio e a firma alemã o segundo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

Negociações para revisão do contrato coletivo de trabalho da construção arrancam em setembro

Salário base da construção pode subir até 194 euros

Outros conteúdos GMG
Pedidos de patente de Portugal cresceram quase 50% para 220 em 2018