transportes

Pedro Marques anuncia arranque de obras no Minho e Beira Alta

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques (C), durante uma visita às obras de melhoria das acessibilidades à estação General Torres, em Vila Nova de Gaia, 11 de junho de 2018.  JOSÉ COELHO/LUSA
O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques (C), durante uma visita às obras de melhoria das acessibilidades à estação General Torres, em Vila Nova de Gaia, 11 de junho de 2018. JOSÉ COELHO/LUSA

Ministro das Infraestruturas anuncia investimento de 80 milhões nestas linhas, em conjunto com trabalhos na sinalização.

As linhas da Beira Alta e do Minho vão entrar em obras ainda em julho. O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, anunciou esta quarta-feira, no Parlamento, o arranque dos trabalhos nos troços Cerdeira-Guarda (linha da Beira Alta), Viana-Valença (linha do Minho) e das intervenções na sinalização em várias linhas um pouco por todo o país. Estes trabalhos vão custar 80 milhões de euros, ao abrigo do programa Ferrovia 2020.

“Na próxima semana iremos acompanhar e lançar obra na Beira Alta, no troço entre Guarda e Cerdeira, que faz parte do Corredor Internacional Norte”, adiantou o ministro no início da audição na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas. A intervenção nesta linha permite eliminar as restrições de velocidade nesta linha e a “recuperação dos tempos de trajeto dos serviços de passageiros de longo curso”

Leia aqui: Obras nas ferrovias sem impacto este ano

Pedro Marques adiantou ainda que vai arrancar “até ao final do mês”, a segunda empreitada para eletrificar a Linha do Minho, com as obras no troço entre Viana e Valença, que deverão ficar concluídas, segundo o Ferrovia 2020, no primeiro trimestre de 2019. Nesta linha, já está sob intervenção o troço entre Nine e Viana, cuja conclusão só deverá ocorrer ainda este trimestre; inicialmente, este troço deveria estar concluído até ao final de junho.

O ministro falou ainda sobre os trabalhos de instalação e modernização do sistema de sinalização nas linhas de caminhos-de-ferro em vários pontos do país.

O Ferrovia 2020, lançado em 2016, prevê a intervenção e modernização das linhas férreas nacionais, com a construção de mais de 200 quilómetros de novas linhas e a modernização de cerca de 900 quilómetros das linhas já existentes, o que corresponde a mais de um terço (35%) da atual rede ferroviária.

O investimento total previsto é de 2,7 mil milhões de euros no prazo de cinco anos, contando o apoio de financiamento europeu.

(Notícia corrigida às 12h30: Os 80 milhões de investimento não incluem o investimento na Beira Baixa, que já estão em curso desde o primeiro trimestre, ao contrário do que foi escrito na versão original deste texto.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Pedro Marques anuncia arranque de obras no Minho e Beira Alta