transportes

Pedro Nuno Santos quer que CP volte a gerir linhas de comboio

Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas e da Habitação. (Foto: NUNO VEIGA/LUSA
Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas e da Habitação. (Foto: NUNO VEIGA/LUSA

Regresso da operação de transporte de mercadorias à empresa pública de comboios também deve ser discutido, admite ministro das Infraestruturas.

Uma CP a transportar passageiros e cargas, a realizar a manutenção material circulante e ainda a gerir as linhas ferroviárias. Esta é a visão de Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas (e da Habitação) para o futuro da empresa pública de comboios e foi apresentada esta quarta-feira na conferência sobre a ferrovia em Portugal, em Almada. “Não há nenhum meio de transporte que bata o comboio”, afirmou o governante.

A primeira etapa da “revolução” da CP passa pela integração da EMEF na empresa e deverá ficar concluída até ao final deste ano. “A EMEF existe para servir a CP. Mais nada! Depois, através da CP, pode servir todo o caminho-de-ferro em Portugal e a indústria ferroviária. Não havia nenhuma razão para estar há 20 e tal anos separada da razão da sua existência”, assinalou o ministro.

Elogiando a “magia” que esta empresa de manutenção tem feito nos últimos anos, Pedro Nuno Santos deixou críticas aos governantes das últimas décadas em Portugal.

“Pegámos no departamento de manutenção da CP e criámos uma empresa. Extraordinário! Começámos a ter duas empresas de costas voltadas, com prioridades distintas, sem se coordenarem, com duplicação de serviços e demorámos tantos anos, finalmente, a entrar num processo de fusão entre a CP e a EMEF. Temos o compromisso de concluir esta fusão até ao final do ano.”

Na segunda etapa, o ministro deixou no ar a discussão de a CP voltar a realizar o transporte de mercadorias, quatro anos depois de este negócio ter sido vendido ao grupo logístico MSC.

“É outro debate que temos de ter, com a empresa que transporta carga. Tem de ser discutido! Temos ideias fantásticas para promover a concorrência e a competição e depois vendemos a empresa a um cliente. Os problemas que temos a capacidade de criar neste país nos últimos anos são extraordinários.”

O ministro falou ainda sobre “o elefante na sala”: colocar a CP, de novo, a gerir as linhas ferroviárias portuguesas, como aconteceu até à criação da Refer, em 1997. “Carril de um lado e comboio é algo que me faz muita confusão. São coisas que têm de ser pensadas e funcionar de forma articulada.”

Pedro Nuno Santos recordou que o programa de Governo define “que se repense a forma como a infraestrutura e a operação se articulam. E nós vamos ter de fazer esse debate, quer se goste ou não. Temos de ter uma relação entre a infraestrutura e a operação que não temos e que deixámos de ter. Não sei qual é a relação, porque a administração da IP começa logo a olhar para mim com cara de preocupado. Nós temos de discutir isso sem reservas. Temos de debater isso. Podemos não precisar de separar a IP, entre ferrovia e rodovia, mas temos de articular estas infraestruturas.”

O governante lembrou que na Alemanha o gigante ferroviário Deutsche Bähn gere tudo, a operação, a gestão, a manutenção, transporte de carga, “e até tem autocarros”.

Comboio “no centro da cidade”

O ministro das Infraestruturas assinalou ainda que “não há nenhum meio de transporte que bata o comboio, do ponto de vista ambiental, económico e de segurança”. E o comboio deve chegar “ao centro da cidade”. Algo que não vai ser possível com o automóvel, mesmo que seja eletrificado ou que funcione a partir do hidrogénio.

“Só vamos conseguir combater a falta de espaço se as pessoas chegarem à cidade de comboio. Ao centro da cidade. […] A melhor forma de nós construirmos mobilidade em Portugal é o comboio pesado ir ao centro da cidade, como nos países onde a mobilidade serve bem as suas populações. Não é ficar à porta. Não há nenhum meio de transporte, nem metro nem ferrovia ligeira, que consiga fazer frente ao comboio pesado.”

Na abertura do congresso sobre a ferrovia, Pedro Nuno Santos lamentou ainda os problemas no acesso dos utentes de comboio a Lisboa. “Custa-me ver todo o país com as dificuldades que tem a chegar a Lisboa. Isto não deixa nenhum membro do Governo satisfeito.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
PORTUGAL REUNIÃO DA CONCERTAÇÃO SOCIAL

Corrida ao subsídio de desemprego explode durante a pandemia

Aviao TAP

TAP reforça rede em outubro: 82 rotas e 666 voos semanais no plano

TAP

Só 1 em cada 20 passageiros no Porto voa na TAP

Pedro Nuno Santos quer que CP volte a gerir linhas de comboio