Pedro Nuno Santos: UE teve "dualidade de critérios" nos apoios à aviação e ferrovia

Ministro das infraestruturas e da Habitação defende maior rapidez no financiamento europeu aos operadores ferroviários para reparar prejuízos da pandemia.

"Dualidade de critérios" entre os apoios à aviação e à ferrovia. O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, criticou esta terça-feira a postura da União Europeia (UE) na ajuda aos setores mais afetados pelo coronavírus.

"Houve uma dualidade de critérios no transporte aéreo e ao transporte ferroviário: a UE foi muito rápida a criar medidas de exeção e um quadro específico para a aviação; não fez o mesmo no transporte ferroviário. Este é um tema muito importante para a nossa presidência", salientou Pedro Nuno Santos em resposta aos deputados na comissão de transportes e turismo do Parlamento Europeu.

Portugal entregou, em 10 de dezembro, o plano de reestruturação da TAP junto da Comissão Europeia. A aprovação deste documento é fundamental para a injeção do Estado de até 3,725 mil milhões de euros na empresa até 2024.

O documento prevê a não renovação de 1600 contratos a prazo até ao final do ano e a saída de outros 2000 funcionários. Além disso, a frota da companhia aérea será reduzida das 108 para 88 aeronaves até ao final de 2021.

A TAP reduziu ainda fortemente as suas ligações internacionais em contexto da pandemia e recorreu ainda ao lay-off. Na ferrovia, a CP manteve o serviço público de transporte de passageiros a 100% no pico da pandemia (a exceção foram os serviços de longo curso) e não recorreu a qualquer mecanismo de redução de salários.

A CP, ainda assim, teve de suportar prejuízos estimados em 145 milhões de euros, que serão compensados pelo Estado ao longo dos próximos meses.

Mas Pedro Nuno Santos quer que a UE olhe de outra forma para o transporte sobre carris nos próximos anos. "Se a Europa se quer preparar para uma nova forma de viver e de nos relacionarmos, temos de apoiar e financiar o setor ferroviário. Não podemos tratar o setor da aviação de uma maneira e o setor ferroviário de outra. Temos também de apoiar o setor ferroviário com a mesma rapidez e intensidade com que fizemos com o setor aéreo", concluiu o ministro das Infraestruturas e da Habitação.

2021 foi definido pela Comissão Europeia como o Ano Europeu do Transporte Ferroviário.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de