Lisbon Investment Summit

Pedro Rocha Vieira. “Aqui iniciam-se negócios e constroem-se relações”

Apesar da chuva que não estava prevista, a Lisbon Investment Summit (LIS) trouxe a Lisboa 2000 participantes, que iniciaram negócios e fizeram networking. Pedro Rocha Vieira, cofundador e CEO da Beta-i, faz o balanço dos dois dias da cimeira.

O que mais o surpreendeu nesta edição?
A confirmação de que este evento marca a agenda do empreendedorismo na Europa. Não foi apenas uma festa. Estes são momentos importantes para consolidar o ecossistema. As pessoas dão muito bom feedback, acontecem negócios, daqui saem novos conceitos. A sala de reuniões esteve sempre cheia. Aqui iniciam-se negócios e constroem-se relações. É como encontrar uma pessoa especial para a nossa vida.…

O mundo mudou. Hoje temos de ser todos empreendedores?
Temos de saber encontrar soluções mesmo que não tenhamos todos os recursos necessários. Temos de estar ocupados, fazer várias coisas em paralelo. O contexto do trabalho também mudou. Não podemos estar à esperar do emprego para a vida. Criar uma startup não é igual a criar um negócio, é muito arriscado e não é para todos. Não se deve criar uma startup por necessidade.
O que fará de diferente na próxima edição da LIS?
Um dos desafios é saber como se traz novos ângulos, indo além do tema do investimento. Que outras conversas, que outros públicos se pode ir buscar? Vamos manter a estratégia de trazer oradores que estejam mais próximos da nossa realidade. Nem todos acham interessante saber quais são os desafios do Facebook, por exemplo. O feedback que temos é que a LIS é um evento muito genuíno, onde as pessoas se sentem bem.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Estações do Metro do Porto não têm cancelas, o que dificulta o controlo da validação dos passes. ( Igor Martins / Global Imagens )

Metro do Porto e Carris reforçam fiscalização em ano de novos passes

Transito-entre-Alcacer-e--85d4639cd3287b64acb4206f15452cc3b8795932

Veículos a diesel vão cair de 63% em 2016 para 8% em 2030

Ataques de drones afetaram unidade de produção de petróleo em Abqaiq, no leste da Arábia Saudita. (REUTERS/Stringer)

Preços do petróleo disparam 20% após ataque na Arábia Saudita

Outros conteúdos GMG
Pedro Rocha Vieira. “Aqui iniciam-se negócios e constroem-se relações”