Hotelaria

Pestana abre 20 novos hotéis até 2020

Pestana Palace

Grupo vai investir 170 milhões de euros em quatro anos e apostar no mercado europeu e norte-americano, sem esquecer Portugal.

O grupo Pestana tem em pipeline a abertura de quase 20 novos hotéis nos próximos quatro anos, estando previsto um investimento global de 170 milhões de euros, revelou José Roquette, Chief Development Officer do grupo hoteleiro.

“Este é o maior ciclo de crescimento que o grupo já teve em tão pouco espaço de tempo e vai reforçar a diversificação e manter a liderança, e até consolidá-la, em Portugal”, afirmou o responsável aos jornalistas, na apresentação da estratégia do grupo Pestana.

Até 2020 o Pestana vai ter mais três mil quartos em quase 20 novos projetos e a meta simbólica de 100 hotéis deverá acontecer nos próximos quatro anos, revelou o responsável, mostrando preferência de que esta meta seja atingida com o novo hotel do grupo em Nova Iorque.

Feitas as contas, o grupo chegará a 2019 com cerca de 13.500 quartos, face aos 10.500 quartos que tinha no final de 2015. 2018 e 2019 serão os anos mais intensos do próximo quadriénio

O investimento atingirá os 170 milhões de euros. 70 milhões de euros serão em Portugal e 100 milhões serão no exterior, com o grupo a focar-se sobretudo no crescimento na Europa e nos Estados Unidos.

“A Europa vai ter três novos hotéis [dois em Madrid e um em Amesterdão] e estamos a estudar outros países”, revelou José Roquette. “Estamos à procura com atenção em vários locais… em Paris, noutras cidades da Alemanha e noutras cidades de Inglaterra”, especificou, acrescentando que a Europa vai ter um peso de 20% nos quartos.

Questionado sobre se estava preocupado com um sim no referendo do Brexit, ditando a saída do Reino Unido da União Europeia e consequente desvalorização da libra, Roquette afirmou que esse evento, a acontecer, “não coloca em stand by o crescimento naquela zona até porque no turismo muitas vezes a libra mais fraca é positiva”.

“Obviamente que a preocupação do ponto de vista económico é enorme mas Portugal tem as armas todas para enfrentar essa ameaça, que é real e séria”.

O mercado norte-americano também está no foco do grupo hoteleiro, que está a preparar a abertura de dois hotéis nos Estados Unidos e pode avançar para outras cidades. O grupo também está a olhar para alguns mercados africanos mas “a prioridade está na Europa e nos Estados Unidos”. O Pestana vai também abrir um hotel em Marrocos, reforçando a presença no Norte de África.

Questionado sobre o impacto da crise do Brasil na atividade do grupo, Roquette admite que este é um mercado que está com uma pior performance mas lembrou que a nova unidade no Rio de Janeiro abrirá a tempo dos Jogos Olímpicos. José Roquette não fechou a porta à venda de hotéis no Brasil, como já aconteceu com uma unidade, continuando o grupo com a sua exploração. E exemplificou: “Natal, por exemplo, está longe de ser a nossa prioridade”.

Consolidação da atividade em Portugal

Ainda assim, Portugal continua a ser a geografia mais rentável do grupo, sobretudo devido “a uma questão de escala”, e a estratégia do grupo continua a passar muito pelo mercado nacional, apesar de uma diversificação geográfica – e de modelo de negócio – cada vez maior. Diversificação que permitiu ao grupo, segundo Roquette, superar a crise que se sentiu no mercado.

O grupo tem 10 projetos em várias fases em Portugal e o objetivo é consolidar a liderança. O responsável frisa que este é um bom momento para o turismo em Portugal e admite que esse crescimento se deve também a circunstâncias menos felizes em países que são fortes destinos turísticos como o Egito, a Turquia e até a Grécia. “Portugal vive o melhor momento turístico mas não vai ser sempre assim”, avisou. “Esses países vão voltar ao mercado de forma muito competitiva, como sempre foram, e é preciso saber aproveitar a oportunidade”, afirmou.

Até ao final do mês abrirá também o primeiro hotel Pestana CR7, no Funchal, o uma parceria com Cristiano Ronaldo e que prevê a abertura de quatro hotéis sob esta marca.

Para o responsável do grupo Pestana 2016 será “o melhor ano de sempre”, muito por causa da atividade em Portugal – o peso da atividade doméstica não é alheio ao momento menos feliz que atravessa a economia na América do Sul, onde o grupo tem vários hotéis.

A expectativa é chegar ao final de 2016 com um crescimento de 31% no rácio entre EBITDAR e vendas e atingir um EBITDAR de 115 milhões de euros, face aos 100 milhões de euros estimados para 2015.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Frederico Varandas, presidente do Sporting.

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Sporting vende créditos de contrato com a NOS por 65 milhões

Frederico Varandas, presidente do Sporting.

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Sporting vende créditos de contrato com a NOS por 65 milhões

Cerimónia da assinatura da venda do Novo Banco à Lone Star, no Banco de Portugal. Luis Máximo dos Santos, Donald Quintin e Carlos Costa.

( Filipe Amorim / Global Imagens )

Máximo dos Santos: “Venda do Novo Banco evitou sério prejuízo”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Pestana abre 20 novos hotéis até 2020