caso GES

Pharol diz que “não é devedora a qualquer título” da ESI

Luis Palha da Silva, presidente do conselho de administração da Pharol
Luis Palha da Silva, presidente do conselho de administração da Pharol

A Pharol vai contestar a exigência da insolvente Espírito Santo International para que pague 750 milhões de euros, acrescidos de juros

A Pharol vai contestar a exigência da insolvente Espírito Santo International (ESI) para que pague 750 milhões de euros, acrescidos de juros, relativos a transferências efetuadas para a antiga Portugal Telecom (PT) em fevereiro de 2014.

Num comunicado divulgado esta terça-feira, assinado pelos curadores da insolvência da ESI, é referido que a Pharol terá de devolver o montante corresponde a três transferências feitas pela ESI para a PT, entre 10 e 20 de fevereiro de 2014, de 500 milhões de euros, 200 milhões de euros e 50 milhões de euros.

“A Pharol SGPS não é devedora a qualquer título da Espirito Santo International, pelo que aguarda a sua citação na anunciada ação judicial para poder contestar e exercer todos os direitos de proteção dos stakeholders da Pharol”, refere a empresa em comunicado.

Adianta que teve esta terça-feira conhecimento de um comunicado dos curadores da ESI “pela qual estes declaram que essa sociedade falida vai processar judicialmente a Pharol, pedindo a condenação desta última no reembolso de 750 milhões de euros, sem especificar os fundamentos desse pedido”.

Lembra que a Pharol “é credora da Rioforte, no montante de capital de 897 milhões de euros, montante devidamente reclamados junto dos curadores dessa insolvência no Luxemburgo”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa,19/06/2015- Daniel Traça , Diretor da Faculdade e Professor de Economia, na Nova Business School, Campus de Campolide.
(Paulo Spranger/ Global Imagens)

“Parte da contribuição para a S.S. devia poder ser usada para formação”

( Gustavo Bom / Global Imagens )

Venderam-se mais 79 casas por dia até junho, 7 novas

Fotografia: Leonardo Negrão/Global Imagens

Patrões dizem não a subida do salário mínimo que vá além dos 600 euros

Outros conteúdos GMG
Pharol diz que “não é devedora a qualquer título” da ESI