Retalho Alimentar

Pingo Doce abre nova cozinha. Refeições e take away são apostas

Fotografia: Diana Quintela / Global Imagens
Fotografia: Diana Quintela / Global Imagens

JM quer ter mais capacidade de produção em setor que fez 180,9 milhões de receitas. No Natal e Ano Novo encomendas subiram 40%.

A Jerónimo Martins prepara-se para abrir até junho uma nova cozinha central em Aveiro para servir as mais de 400 lojas Pingo Doce e 32 restaurantes em todo o país. Um aumento de capacidade de produção da unidade de refeições take away do grupo do Pingo Doce, numa altura em que a procura tem vindo a crescer no mercado nacional. Em 2018, o take way gerou 180,9 milhões de receitas para os hiper e supermercados nacionais, mais 11% do que face a 2017.

“Vamos abrir uma nova cozinha em Aveiro no primeiro semestre deste ano que vai permitir um aumento da capacidade de produção e inovação”, adianta João Freitas, diretor da área de negócio Meal Solutions do Grupo Jerónimo Martins. Aveiro já acolhia uma das três cozinhas centrais do grupo, com as outras localizadas em Gaia e Odivelas. A futura unidade será uma construção nova, que irá abranger parte da cozinha existente.

O grupo retalhista não adianta o investimento nesta nova unidade nem que impacto a mesma terá a nível da produção de refeições nas cozinhas centrais. “Vai responder às necessidades dos consumidores que, cada vez mais, procuram comida pronta”, diz João Freitas. Há dois anos consecutivos que em Portugal a área de take away dos hiper e supermercados tem vindo a crescer na ordem dos dois dígitos. No ano passado gerou 180,9 milhões, segundo dados da Nielsen. Mais 23% do que em relação a 2016, ano em que os super e hipermercados nacionais encaixaram 147,5 milhões.

“A área de negócio de Meal Solutions continua a registar fortes crescimentos, a dois dígitos, abrangendo a comida pronta nas lojas e as refeições servidas nos restaurantes”, adianta João Freitas.
O grupo não revela valores de faturação, mas só no ano passado foram servidos quatro milhões de refeições nos 32 restaurantes Pingo Doce, tendo ainda as encomendas de Natal e de Ano Novo subido 40% face a 2017. Nesse ano, as encomendas de Natal registaram uma subida de 50% – com a região norte a registar uma subida entre 60% e 70% acima da média -, depois de em 2016 as encomendas de refeições no Pingo Doce nestas duas épocas festivas terem registado um aumento de 104%.

Os números crescentes já levavam o grupo a admitir em 2017 planos para duplicar, nos próximos dez anos, a capacidade de produção da área de Meal Solutions. Uma resposta às mudanças de comportamento de consumo dos portugueses que, cada vez mais, optam por comprar refeições prontas e que motivou o grupo a dar espaço à área de take away nas mais de 400 lojas pelo país.
“Vamos continuar a apostar nesta área de negócio, onde o Pingo Doce é o único operador da distribuição com produção própria em cozinhas centrais.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: direitos reservados

RGPD. Um ano depois, mercado português pede maturidade e legislação

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), durante a cerimónia militar do Instituto Pupilos do Exército (IPE), inserido nas comemorações do 108.º aniversário da instituição, em Lisboa, 23 de maio de 2019.  ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: “Quem não for votar, depois não venha dizer que se arrepende”

Outros conteúdos GMG
Pingo Doce abre nova cozinha. Refeições e take away são apostas