Retalho Alimentar

Pingo Doce. Vaga de calor e incêndios afectam abastecimento de lojas com água

Pingo Doce_loja
Foto: Leonardo Negrão/Globalimagens

Situação afetou abastecimento de algumas lojas. Situação está "praticamente resposta", diz cadeia de supermercados da Jerónimo Martins

A vaga de calor na última semana e os incêndios um pouco por todo o país afetaram o abastecimento de algumas lojas Pingo Doce de água de marca própria, bem como de outros fornecedores, confirmou o Dinheiro Vivo junto da empresa. A falha no abastecimento está “praticamente ultrapassada”, garante a cadeia do grupo Jerónimo Martins.

“Houve durante alguns dias dificuldade em abastecer de águas de marca própria e outras marcas algumas lojas Pingo Doce. Esta dificuldade, atualmente praticamente ultrapassada, deveu-se a dois motivos”, confirmou ao Dinheiro Vivo fonte oficial do Pingo Doce. “A vaga invulgar de calor que se fez sentir e que, mesmo tendo sido precavida pelas operações do Pingo Doce, levou a um aumento atípico do consumo de água e até a algumas avarias em máquinas de alguns fornecedores da marca própria Pingo Doce”, refere a mesma fonte.

Os incêndios, em particular o de Monchique, no Algarve, também contribuíram para esta situação. “Os incêndios que deflagraram nos últimos dias levaram ao aumento de consumo nas zonas próximas das afectadas, nomeadamente no Algarve, e também a naturais dificuldades de transporte destes produtos sentidas por parte dos diversos fornecedores”, refere fonte oficial da cadeia de supermercados.

“A acrescer a isto, algumas lojas Pingo Doce no Algarve têm estado a dar produtos, incluindo água, às corporações de Bombeiros envolvidas no combate aos fogos florestais, designadamente aos bombeiros de Portimão e Silves”, adianta fonte oficial da cadeia.

“Neste momento, a distribuição de águas, tanto de marca própria, como de outros fornecedores do Pingo Doce, está praticamente regularizada”, garante a empresa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
: PÁGINAS : LIXO 08-09 NEGÓCIOS Eólicas + Opinião

Eólica vs. solar. Que energia dominará a Europa em 2030?

Turistas no Miradouro São Pedro de Alcântara, em Lisboa.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Ourém recua, Guimarães pondera. São já 8 os municípios que cobram taxa turística

Algarve, Portugal. Fotografia: D.R.

Algarve confiante numa estabilização do mercado britânico

Outros conteúdos GMG
Pingo Doce. Vaga de calor e incêndios afectam abastecimento de lojas com água