BES

Horta Osório: Pinho tem de esclarecer se recebeu do GES para favorecer EDP

REUTERS/Stefan Wermuth/File Photo
REUTERS/Stefan Wermuth/File Photo

O presidente executivo do Lloyds Bank, António Horta Osório, defendeu hoje que o ex-ministro da Economia Manuel Pinho deve vir a público esclarecer se recebeu pagamentos do Grupo Espírito Santo (GES) para favorecer a EDP.

“Acho que é inaceitável que uma pessoa que representou o país ao mais alto nível como ministro da Economia não venha a público dizer aos portugueses claramente se houve ou não houve da parte dele recebimento de quantias do Grupo Espírito Santo [GES] ou de outra empresa enquanto governante”, afirmou Horta Osório.

O presidente do Conselho de Administração do Lloyds Bank falava aos jornalistas à margem da conferência “Perspetivas Económicas para Portugal e Zona Euro – Desafios do Brexit” que decorreu em Lisboa, mas que é fechada à comunicação social.

Para o banqueiro português, esta é uma “pergunta clara que deve ser respondida de forma inequívoca e é uma questão de dever”, considerando que os “portugueses exigem e merecem ter essa resposta”.

Horta Osório afirmou ainda “grande preocupação”, esperando que as responsabilidades sejam “rapidamente apuradas” e que haja as “devidas consequências” em função das conclusões que forem apuradas.

Há cerca de um mês, o jornal ‘online’ Observador noticiou as suspeitas de Manuel Pinho ter recebido, de uma empresa do GES cerca de um milhão de euros entre 2006 e 2012.

Os pagamentos, de acordo com o jornal, terão sido realizados a uma nova sociedade ‘offshore’ descoberta a Manuel Pinho, chamada Tartaruga Foundation, com sede no Panamá, por parte da Espírito Santo (ES) Enterprises — também ela uma empresa ‘offshore’ sediada no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas e que costuma ser designada como o ‘saco azul’ do GES.

Na semana passada, a Assembleia da República aprovou, por unanimidade, uma proposta do Bloco de Esquerda para constituir uma comissão parlamentar de inquérito ao pagamento de rendas excessivas aos produtores de eletricidade, que vai abranger todos os governos entre 2004 e 2018.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Horta Osório: Pinho tem de esclarecer se recebeu do GES para favorecer EDP