Imobiliário

Porto Office Park pronto em outubro após investimento de 100 milhões

O POP já está em comercialização. Fotografia: D.R.
O POP já está em comercialização. Fotografia: D.R.

O POP alia localização privilegiada a ofertas diferenciadoras. Os ocupantes terão ao dispor ginásio, serviços de conciérge ou parque de bicicletas

O Porto Office Park (POP), projeto imobiliário cujo investimento ronda os 100 milhões de euros, deverá estar operacional em outubro. O empreendimento, promovido pelo grupo Violas Ferreira, vai reforçar a oferta de escritórios na cidade, estando localizado numa zona prime da cidade.

O grupo português apostou numa localização privilegiada. O POP está a ser construído na Avenida Sidónio Pais, muito próxima da Rotunda da Boavista, nos terrenos da antiga estação de recolha de autocarros da STCP.

O POP é composto por dois edifícios, cada qual com nove pisos acima do solo, a que corresponde uma área de mais de 30 mil metros quadrados, envolvidos em 15 mil metros quadrados de espaços verdes.

O projeto irá apostar também na oferta de um serviço múltiplo de restauração (com cafetaria, restaurante e copas das frações), de ginásio e campos de paddel, e disponibilizará um auditório, salas de reuniões e serviços de conciérge. Os futuros ocupantes destes escritórios terão acesso a estas facilidades através de uma aplicação digital móvel.

O POP tem, nas proximidades, uma boa oferta de transportes, seja metro ou linhas de autocarros, a que se soma as principais vias de entrada e saída da cidade. Ainda assim, disponibilizará 600 lugares de estacionamento, dos quais 60 com carregadores elétricos, e 120 lugares de bicicletas.

Segundo comunicado, a comercialização está nas mãos das consultoras CBRE, Cushman & Wakefield, JLL e Predibisa. O objetivo é o arrendamento. As consultoras são unânimes em considerar que este projeto vem colmatar a pouca oferta de edifícios de escritórios no Porto com estas características.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, conversa com Teresa Leal Coelho (ausente da foto), presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a audição na Assembleia da República, Lisboa, 21 de março de 2019.  ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Ramalho: “DG Comp não tem particular simpatia pelos bancos portugueses”

António Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral

( Gustavo Bom / Global Imagens )

ASF inicia processo de avaliação da idoneidade de Tomás Correia

Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Rodrigo Costa: “Já pagámos 127,5 milhões” de CESE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Porto Office Park pronto em outubro após investimento de 100 milhões