Turismo

Portugal. A opção “surpreendentemente económica” no Airbnb

Fotografia: Orlando Almeida/ Global Imagens
Fotografia: Orlando Almeida/ Global Imagens

Airbnb veio facilitar a forma como os turistas de alojam. Mas nem sempre fugir dos hotéis é sinónimo de uma opção mais económica. O mapa dos preços:

Islândia, Suécia e Andorra são oficialmente as regiões mais dispendiosas para um plano de férias longe de hotéis. A descoberta é da vouchercloud, que se debruçou sobre os preços do Airbnb ao longo do velho continente. E Portugal onde fica? É uma “opção surpreendentemente económica”, refere este estudo.

As regiões mais caras para uma escapadinha hotel-free estão na Europa Central e do Norte. Na Islândia, os preços médios rondam os 131 euros/noite, na Suécia 96 euros e em Andorra 92 euros. Estas são, de longe, as regiões mais dispendiosas para encontrar um apartamento na plataforma. E são seguidas de perto pela Noruega (90 euros) e pelo Reino Unido (88 euros).

Também há opções económicas. A República da Macedónia tem as opções menos dispendiosas (30 euros/noite), seguida de perto pelos 31 euros médios praticados na Albânia e 32 euros da Moldávia.

Entre os destinos mais populares e ainda assim económicos surgem a Polónia (36 euros) e Croácia (50 euros) e, depois há os “surpreendentemente económicos” para a notoriedade ou sucesso dos últimos meses. São eles a Alemanha e Portugal, ambos com uma média de preços de 52 euros.

O mapa (em libras) mostra esta realidade.

mapa1

E aqui, a distinção dos preços segundo o número de visitantes. Em alguns países, os turistas que viajam em família acabam por sair prejudicados, com os preços mais do que a duplicar.

mapa2
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Portugal. A opção “surpreendentemente económica” no Airbnb