cooperação

Portugal e Marrocos estudam projetos conjuntos em África

Othmane Bahnini, embaixador do Reino de Marrocos em Portugal. (Fotografia: direitos reservados)
Othmane Bahnini, embaixador do Reino de Marrocos em Portugal. (Fotografia: direitos reservados)

Setores automóvel, energético, têxtil e tecnológico são considerados estratégicos .

O embaixador do Reino de Marrocos em Portugal, Othmane Bahnini, considerou esta quinta-feira, em Lisboa, que os setores automóvel, energético, têxtil e tecnológico têm “um enorme potencial” em termos de exportação, importação e investimento entre Portugal e Marrocos, sublinhando planos para projetos conjuntos em África.

No Fórum Económico Portugal-Marrocos, que decorre no hotel Pestana Palace, disse que ambos alcançaram projetos “estruturantes e com fortes benefícios económicos a longo prazo”, nomeadamente o de interconexão elétrica, atualmente em marcha. É também o caso das conversações iniciadas em torno da criação de uma linha marítima entre Tanger – Faro ou Portimão. “Esta linha justifica-se, cada vez mais, dado o crescente fluxo de trocas comerciais registadas nos últimos dez anos”, refere.

Othmane Bahnini não esconde a vontade de aproximar cada vez mais os países. “Multiplicaremos as ligações diretas entre os nossos países e será criado um quadro propício para o desenvolvimento da cooperação bilateral e regional”, garante, salientando a assinatura de um memorando de entendimento sobre o desenvolvimento de uma relação triangular Marrocos – Portugal – países africanos. Esse passo, acredita, abrirá “novas oportunidades para trabalharmos juntos em zonas como a África Ocidental e a África Lusófona, onde as nossas áreas de especialização podem ser conjugadas para realizar investimentos e entrar em novos mercados”.

Relação histórica
O responsável lembrou também que Marrocos e Portugal, ao longo da história, “construíram serenamente um relacionamento sólido, baseado na compreensão e na consideração de interesses mútuos”. No entanto, frisa: “Acredito firmemente que podemos fazer melhor no plano económico, porque possuímos muitos recursos e potencialidades”.

No plano geográfico, prossegue, “estamos próximos, não paramos de o repetir e em afirmar que Lisboa é a capital europeia mais próxima de Rabat”, frisando que também “não nos podemos esquecer que temos uma fronteira marítima comum que nos oferece enormes potencialidades e estamos, igualmente, na ponta de dois continentes com uma abrangência regional da qual não aproveitamos o suficiente”.

Quanto ao plano cultural, “não há necessidade de recorrer à nossa história e civilização comuns para sabermos que é um fator único de reaproximação”, diz.

Voltando ao plano económico, considera que as economias de ambos os países “complementam-se em vários aspetos”, mostrando-se convicto de que é possível criar “sinergias ainda mais fortes entre as duas economias, maximizando as nossas potencialidades”.

Este fórum é uma iniciativa conjunta da CIP com a Confederação Geral das Empresas de Marrocos. Estão representados setores considerados estratégicos, como as tecnologias de informação e comunicação, a energia e sustentabilidade energética, automóvel e têxtil, entre outros, através de empresas como Residence Rayhane, Amith, Outlierz, Amica ou Attijariwafa bank.

*Notícia atualizada às 15:15 com mais informação.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
GSFJ2392

“A sustentabilidade dos media depende de todos nós”

Alexandre Fonseca - CEO da Altice Portugal

Fotografia: Gerardo Santos

Alexandre Fonseca sobre 5G: “Portugal hoje posiciona-se na cauda da Europa”

Sebastião Lancastre, Easypay

Easypay. “Para sermos relevantes para os clientes temos de ouvi-los”

Outros conteúdos GMG
Portugal e Marrocos estudam projetos conjuntos em África