Energia

Portugal produz quadros elétricos da Siemens para Alemanha e Bulgária

Fotografia:   REUTERS/Michaela Rehle
Fotografia: REUTERS/Michaela Rehle

Fábrica de Corroios da multinacional alemã espera que possa haver linha de produção dedicada ao fabrico destes quadros elétricos

É a partir da fábrica da Siemens de Corroios, no concelho do Seixal, que estão a ser produzidos quadros elétricos modulares de média tensão Simosec. Até aqui, estes quadros eram feitos na fábrica de Frankfurt da multinacional alemã. Usado na área das infraestruturas e da distribuição de energia pelas PME elétricas e industriais, este produto vai começar a ser exportado, a partir deste mês, para Alemanha e Bulgária.

A experiência dos funcionários desta fábrica portuguesa é uma das principais razões para esta escolha: “Graças aos largos anos de experiência e conhecimento dos seus colaboradores, a fábrica da Siemens em Corroios foi reconhecida como tendo as condições ideais para a produção deste equipamento, num ciclo que vai desde a pré-fabricação de componentes até à elevada qualidade de montagem, eletrificação e ensaios”, assinala a Siemens em nota enviada às redações esta segunda-feira.

Exemplo de quadro elétrico Simosec, de média tensão. Fotografia: DR

Exemplo de quadro elétrico Simosec, de média tensão. Fotografia: DR

A Siemens conta produzir cerca de 600 quadros elétricos deste género por ano em Portugal. Há planos para que “num futuro próximo, venha a haver uma linha dedicada apenas a este produto”. 95% da produção desta fábrica da Siemens destina-se ao estrangeiro e para países como Alemanha, Angola, África do Sul, Austrália, Brasil, Coreia do Sul, Egipto, Emirados Árabes Unidos e México.

Atualmente, a Siemens Portugal dá emprego a 1740 pessoas, distribuídas pela fábrica de Corroios e de 23 centros de competência.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Não conseguiu validar as faturas para o IRS? Contribuintes têm mais um dia

O ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação das obras de arte da coleção BPN, agora integradas na Coleção do Estado, no Forte de Sacavém. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Fundo de Resolução já pagou em juros 530 milhões ao Estado e 90 milhões a bancos

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Venda do Novo Banco é “um não-assunto” para o Fundo de Resolução

Portugal produz quadros elétricos da Siemens para Alemanha e Bulgária