capital de risco

Portugal Ventures “fala em breve das prioridades”

Depois da saída de Guedes de Carvalho, governante diz que nova administração da PV vai definir “prioridades de ação”.

A nova administração da Portugal Ventures (PV), sociedade pública de capital de risco, foi eleita e assumiu funções há uma semana. A secretária de Estado da Indústria, que tutela a entidade, não tem dúvidas que “a nova administração da Portugal Ventures se vai pronunciar em breve sobre as suas prioridades de ação”. Ana Lehmann disse ainda ao Dinheiro Vivo que a capital de risco, agora liderada por Rita Marques, “vai acompanhar os sinais dos tempos e vai estar muito presente ao serviço das necessidades dos empreededores de vários setores”.

Na semana passada, o nome de Rita Marques foi aprovado em assembleia-geral para suceder a Celso Guedes de Carvalho (cujo mandato terminou a 31 de Dezembro do ano passado), no cargo de presidente executivo da PV. Rita Marques, antes de assumir a liderança da capital de risco, era diretora executiva de MBAs e Pós-Graduações da Porto Business School.

Mais dois anos em Lisboa?
O Web Summit é um dos eventos da área do empreendedorismo e tecnologia mais reconhecidos, pelo menos, ao nível europeu. Em 2018, realiza-se a terceira edição do certame em Lisboa. Quando a vinda do evento foi anunciada, em 2015, foi revelado que além dos três anos que estavam acordados existia a possibilidade do evento ficar por mais dois anos (2019 e 2020). A secretária de Estado refere que “em relação à edição deste ano já reunimos desde Janeiro a task force que está prevista nesse sentido e vamos fazer agora uma nova reunião dessa task force em breve”. “Naturalmente, é do nosso interesse que a Web Summit fique em Portugal. O governo português nunca é passivo em relação ao que considera importante” disse, acrescentando que não há mais detalhes neste momento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa,19/06/2015- Daniel Traça , Diretor da Faculdade e Professor de Economia, na Nova Business School, Campus de Campolide.
(Paulo Spranger/ Global Imagens)

“Parte da contribuição para a S.S. devia poder ser usada para formação”

( Gustavo Bom / Global Imagens )

Venderam-se mais 79 casas por dia até junho, 7 novas

Fotografia: Leonardo Negrão/Global Imagens

Patrões dizem não a subida do salário mínimo que vá além dos 600 euros

Outros conteúdos GMG
Portugal Ventures “fala em breve das prioridades”