Smart cities

Português gere estratégia mundial de smart cities da Deloitte

Miguel Eiras Antunes, sócio da Deloitte no mercado português. (Filipe Amorim / Global Imagens)
Miguel Eiras Antunes, sócio da Deloitte no mercado português. (Filipe Amorim / Global Imagens) Miguel Eiras Antunes, sócio da Deloitte no mercado português. (Filipe Amorim / Global Imagens)

Até aqui apenas sócio da Deloitte Portugal, Miguel Eiras Antunes vai tomar da estratégia de cidades inteligentes da consultoria.

Há um português que vai assumir a estratégia mundial de cidades inteligentes da Deloitte. Miguel Eiras Antunes foi o escolhido para tomar conta da área de smart cities desta consultora internacional, segundo nota de imprensa divulgada esta segunda-feira.

“É um importante desafio e o reconhecimento do trabalho que temos vindo a desenvolver, ao longo dos últimos anos, em Portugal em matéria de cidades inteligentes, e que tem, inclusivamente, servido de referência a uma escala mundial”, refere o gestor, citado em nota de imprensa.

Eiras Antunes acrescenta que esta área tem um “potencial de crescimento enorme” e que ” procura conciliar três vertentes essenciais de uma cidade: o desenvolvimento económico; a sustentabilidade e a qualidade de vida dos seus cidadãos.

O gestor vai acumular este cargo internacional com a liderança, em Portugal, das áreas de Governação & Serviços Públicos, Transportes, Serviços e Automóvel da Deloitte.

Miguel Eiras Antunes é “formado em Economia e Gestão Empresarial pela Universidade Católica Portuguesa, Miguel Eiras Antunes integra a Deloitte há mais de 23 anos. Ao longo do seu percurso liderou diversos projetos de consultoria estratégica em múltiplas indústrias e áreas de conhecimento, com destaque, nos últimos anos para os setores público, transportes, saúde e turismo”, acrescenta o documento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Português gere estratégia mundial de smart cities da Deloitte