Mobiliário

Portuguesa Frato abre nova loja nos armazéns Harrods

Frato Interiors

Empresa portuguesa volta a contratualizar espaço com os famosos armazéns londrinos. Em três anos, espera arrecadar 8 milhões

Lembra-se da Frato Interiors, a primeira marca portuguesa a abrir no Harrods? Depois de dois anos a vender em Londres, a loja nacional voltou a contratualizar com os requintados armazéns londrinos. E, desta vez, é tudo em maior dimensão.

Em vez de 200 metros quadrados, o novo espaço que abre portas esta terça-feira, 15 de março, terá 300 metros quadrados. E o contrato terá a duração de três anos. Mais: se, em 2014, a marca admitia uma receita de dois milhões para aquele ano, agora já se arrisca em planos para os três anos de contrato e, neste período, admite que aquele espaço permita vendas de oito milhões de euros.

Perante os bons resultados obtidos no mercado inglês, a marca portuguesa anuncia ainda o estabelecimento de uma empresa britânica, a Triva Group, que permite dar uma resposta diferente “em termos operacionais na gestão e ao nível dos recursos humanos, aumentando assim a presença internacional” da marca portuguesa.

Não é só em Londres que a empresa de Carlos Faria Santos dá cartas. Recentemente, a Frato ganhou a renovação do Hotel Kempinsky, em Genebra, num total de 1,4 milhões de euros. Na Nigéria, conta ainda com a renovação do hotel Hilton, que permitirá encaixar outros 12 milhões de euros.

Ao portefólio internacional da marca juntam-se ainda obras em Riade, na Arábia Saudita, onde está a cargo da decoração do complexo residencial de 68 vilas e apartamentos (1,2 milhões de euros).

Estes projetos dão gás à performance financeira do grupo que espera triplicar as vendas em 2016. Em 2015, a marca fechou com um volume de negócios de 6 milhões de euros e uma carteira de projetos de 14 milhões.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

Angela Merkel e Donald Trump. Fotografia: REUTERS/Kevin Lamarque

FMI corta crescimento da Alemanha, mas Espanha ainda compensa

Outros conteúdos GMG
Portuguesa Frato abre nova loja nos armazéns Harrods