Tech

Portuguesa Saphety fornece sistema de faturação a Vodafone Hungria

Rui Fontoura, CEO da Saphety
Rui Fontoura, CEO da Saphety

Sistema de faturação eletrónica serve os 850 mil clientes empresariais da Vodafone Hungria

A portuguesa Saphety acaba de implementar o sistema de faturação eletrónica da Vodafone Hungria, servindo durante três anos os 850 mil clientes empresarias do operador de telecomunicações. O valor do contrato não foi revelado.

“Este contrato representa mais um passo importante na estratégia de desenvolvimento da Saphety, que passa a colaborar com uma das marcas líderes mundiais em telecomunicações, contribuindo para uma melhor experiência de utilização e transformação digital dos seus clientes empresariais”, diz Rui Fontoura, CEO da Saphety. “Com o surgimento de novos paradigmas tecnológicos na indústria das telecomunicações, como o 5G, a massificação do IoT ou o machine learning, a combinação entre infraestruturas de cloud e soluções centradas no cliente vão assumir uma importância crescente na capacidade das Telecom oferecerem uma experiência de cliente cada vez melhor e mais completa, na sua resposta a esses novos desafios”, refere, citado em nota de imprensa.

A implementação da SaphetyBill – uma solução de apresentação eletrónica de faturas, desenhada especificamente para os setores das telecomunicações e utilities, já utilizada em diversos mercados por grandes operadoras com elevados volumes de faturação, onde se incluem a Oi, a Vodafone, a Entel, a Orange ou a Via Verde – foi iniciada no final do ano passado, e concluída já em agosto deste ano, funcionando sobre a plataforma da Amazon Web Services (AWS).

Com este sistema, a Vodafone Hungria passa a disponibilizar um interface único aos clientes empresarias, que passam a poder analisar os seus gastos em telecomunicações e adaptar as suas faturas, alocando, por exemplo, a diferentes centros de custos, funcionários ou departamentos, simplificando o trabalho das equipas administrativas, com ganhos de produtividade, destaca a Saphety.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Portuguesa Saphety fornece sistema de faturação a Vodafone Hungria