Portugueses "trocam" pagamento em dinheiro por cartão

44% dos portugueses entrevistados admitiram que iniciaram ou aumentaram as compras online durante o confinamento, mas mesmo nas lojas físicas a opção tem sido pagar mais com meios digitais.

Na hora de pagar as compras os portugueses usam cada vez mais cartão em vez de dinheiro ou notas e, no futuro, tudo indica que pagar com dinheiro vivo será um hábito cada vez menor. Compram também mais online. Tudo por causa da pandemia, aponta o estudo realizado pela GfK para a Visa.

"É seguro dizer que os pagamentos digitais e o contactless têm sido protagonistas durante o confinamento, maioritariamente impulsionados pela necessidade de segurança. Prevemos que no futuro a tendência se mantenha, mesmo quando acabar a pandemia, porque muitos consumidores já perceberam o quanto estas soluções são convenientes", diz António Salvador, country manager da GFK para Portugal, citado em nota de imprensa.

Cerca de metade (45%) dos portugueses entrevistados - o estudo foi realizado entre agosto e setembro, através de entrevistas online com 3200 indivíduos (800 para cada país) - limitaram o uso de notas e moedas em loja optando por pagamentos digitais, desde o início da pandemia. "Esta mudança de comportamento tem vindo a aumentar, e prevê-se que no futuro venha a aumentar ainda mais, a utilização de cartões de débito (+26%) ao efetuar pagamentos em loja", pode ler-se na nota de imprensa.

A pandemia também fez disparar o pagamento com contactless (+48%) em Portugal, mais do que em qualquer outro país analisado no estudo. "A maioria dos consumidores portugueses entrevistados ficou satisfeita com o aumento do limite contactless para transações sem PIN, com 64% dos inquiridos a querer manter esta possibilidade, medida que acabou por ser confirmada posteriormente pelo Banco de Portugal", referem ainda.

Um crescimento a que não deverá ser alheio as recomendações de segurança. "O abandono do dinheiro físico está a impulsionar o uso de cartões bancários para efetuar pagamentos em loja. Portugal, Espanha e Itália aumentaram o uso de cartões de débito, +39%, +37% e +24% respetivamente, enquanto em França os consumidores estão a optar por utilizar mais os seus cartões de crédito desde o início da crise Covid-19, registando um aumento de 23%", refere o estudo.

Pagamentos contactless disparam

Nos últimos seis meses o uso de pagamentos sem contacto disparou, com Portugal no topo do ranking: 48% dos inquiridos revelaram utilizar mais este método de pagamento, comparativamente ao período pré-covid. "Os números também são significativos em Espanha (+45%) e França (+42%), ao contrário de Itália, onde apenas 28% dos inquiridos confessou aumentar o uso de contactless", informa o estudo.

Mais de metade dos inquiridos (53%) reconhece que as lojas têm agora uma maior pré-disposição a aceitar este tipo de pagamentos, com Portugal volta a liderar a lista, com 64% dos consumidores a dizer que as lojas estão a corresponder ao seu desejo de pagar com contactless.

As compras online - 44% dos portugueses entrevistados admitiram que "iniciaram ou aumentaram as compras online quando o confinamento foi declarado, uma tendência ainda mais notável em Itália, onde 51% dos compradores admitiram ter aumentado ou até mesmo começado a comprar online após serem obrigados a permanecer em casa " - também deverá ter contribuído para esta mudança.

E ao nível de pagamentos online, "carteiras digitais, cartões de débito e crédito têm vindo a ser substancialmente mais utilizados e prevê-se que este crescimento se mantenha. Os consumidores portugueses revelaram também que pretendem aumentar no futuro o uso de cartões de débito (+17) e carteiras digitais (+22). Pelo contrário, vão passar a evitar pagar no ato da entrega (-3%)", refere o estudo.

O carrinho de compras também "passou a acomodar novas necessidades, com os produtos alimentares e de higiene no topo da lista", refere o estudo realizado pela GfK. "Em Portugal, houve um aumento particular na utilização de canais online para pagar as contas de casa (+21%) e para pagar impostos e taxas (+18%)", adianta.

Confinados em casa, os consumidores nacionais também aumentaram as suas subscrições no campo do entretenimento, com 16% a subscrever serviços de televisão ou de telemóvel.

Hábitos ganhos durante a pandemia que deverão manter-se no futuro. "Os inquiridos preveem uma nova diminuição do uso de numerário, também para pagamentos de baixo valor (20%) e para títulos de transporte ou estacionamento (17%)", refere o estudo. "Espera-se que os cartões de crédito e débito aumentem ainda mais o seu apelo, tanto no e-commerce, como em pagamentos em loja."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de