streaming

Preço das músicas abre guerra entre Youtube e editoras

Pharrell Williams
Pharrell Williams

Casa da Google paga sete vezes menos do que os rivais Apple e Spotify

Longe vão os tempos em que os CD’s enchiam os cofres dos músicos e das editoras discográficas. Hoje, o streaming é o grande aliado desta indústria. Mas numa altura em que o público se habituou a ouvir música online, editoras e músicos dão a cara para apontar o dedo a quem paga menos: o Youtube, noticia o Washington Post.

O site de vídeos da Google é o principal player do mercado e responde já por 25% da música ouvida em streaming em todo o mundo, bem à frente de concorrentes como o Spotify, Amazon ou Apple. No entanto é o que menos paga pelos conteúdos oferecidos.

Artistas como Pharrell Williams ou a banca Arcade Fire são alguns exemplos de personalidades que vieram a público denunciar que a receita obtida com as suas músicas no Youtube está muito aquém dos valores pagos, por exemplo, pelo concorrente Spotify – sete vezes menos, em média.

É que o Youtube paga, em média, um dólar por cada mil vezes que uma canção é tocada. Por sua vez, o Spotify e a Apple oferecem sete dólares.

As editoras explicam a diferença com uma brecha legal que a casa da Google estará a aproveitar. A lei norte-americana permite que o Youtube não se responsabilize pelas músicas que os utilizadores toquem no seu site, mesmo que sejam colocadas à margem dos direitos das editoras.

“No fundo, estamos a negociar com alguém que vai ter acesso àquele conteúdo seja de que forma for”, considerou uma editora ao jornal norte-americano.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A administradora delegada da Media Capital, Rosa Cullell (E), acomapnhada pelo CEO da Altice Media, Alain Weill (2-E), do CEO do Grupo Altice, Michel Combes (2-D), e do Chairman e CEO da Portugal Telecom, Paulo Neves (D), fala durante uma conferência de imprensa sobre a compra da Altice sobre o grupo Media Capital,. Fotografia: ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Compra da TVI pelo Meo pode “criar entraves significativos à concorrência”

O ministro das Finanças, Mário Centeno (E), acompanhado por Carlos Tavares (D), antigo presidente da CMVM, durante a sessão de apresentação pública do relatório do Grupo de Trabalho para a Reforma do Modelo de Supervisão Financeira. (ANDRÉ KOSTERS/LUSA)

Belém e Parlamento terão de validar novo governador do Banco de Portugal

Cristina Casalinho, presidente do IGCP. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens

Casalinho quer alongar pagamento da dívida para evitar picos de reembolsos

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Preço das músicas abre guerra entre Youtube e editoras