Leite

Preço do leite: produtores avançam para novo protesto

Foto: REUTERS/Michaela Rehle
Foto: REUTERS/Michaela Rehle

A sucessiva queda no preço do leite e a crise que o sector enfrenta estão na origem de uma nova manifestação nacional, terça-feira, em Estarreja.

Melhores preços e a reposição do regime de quotas leiteiras são duas das exigências em destaque na manifestação que os produtores de leite e carne vão realizar amanhã, terça-feira. O protesto será feito em tratores no percurso da Estrada Nacional 109, entre Ovar e Estarreja.

A ação organizada pela Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e pela Associação Portuguesa de Produtores de Leite e Carne (APPLC) abrange ainda uma concentração junto a três hipermercados em Estarreja, distrito de Aveiro, segundo adiantou a Lusa.

“Vamos fechar com um cadeado humano, de uma forma simbólica, os hipermercados que ali estão à beira da EN 109, em protesto contra a ditadura comercial que as grandes superfícies exercem”, disse à Lusa João Dinis, da Direção da CNA.

João Dinis acusou as grandes superfícies de “esmagarem” os preços à produção nacional, nomeadamente do leite e da carne, referindo que os produtos alimentares “são por via de regra chamarizes das promoções e, também por isso, atravessam uma grave crise”.

O dirigente realçou que os produtores de leite “estão a ter prejuízo para continuar a produzir”, alegando que, atualmente, por cada quilo de leite, têm um prejuízo de oito cêntimos.

“A média [do preço do leite ao produtor] está em 26 cêntimos por quilo, enquanto o custo de produção anda em 34 cêntimos. E os agricultores não estão a contabilizar o valor do seu trabalho”, sublinhou.

Para João Dinis, o fim das quotas leiteiras na União Europeia, em 2015, está na base da grande crise do setor leiteiro. Por isso, defende a adoção de um sistema idêntico ao das quotas leiteiras.

“O Governo português e este ministro [da Agricultura] têm-se concentrado essencialmente em ajudas para reduzir a produção e isso é um erro estratégico. Nós precisamos de ajudas para aumentar a produção, seja de leite, de fruta, seja do que for. É uma necessidade estratégica do nosso país”, defendeu.

O dirigente considera que tem que haver “outro posicionamento político e lutar contra estas adversidades”, defendendo “um debate forte” ao nível da Comissão Europeia de retoma do mecanismo público do controlo da produção. “Isso não está na ordem do dia, mas tem de estar”, afirmou.

No protesto marcado para terça-feira, os agricultores vão ainda reclamar o aumento dos preços à produção de leite e carne, a redução dos custos de produção e o fim das penalizações sobre quem ultrapassar o limite interno de produção de leite.

Segundo a organização, os tratores vão sair de Válega (Ovar) e de Estarreja, pelas 10:30, estando a primeira concentração conjunta marcada para as 11:30 em frente aos hipermercados, ao lado da EN 109, em Estarreja.

Os manifestantes vão dirigir-se depois para a Câmara de Estarreja onde esperam ser recebidos pelo presidente da autarquia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
apple one

Apple One junta vários serviços, chega a Portugal mas com limitações. O que tem

A  90ª edição da Micam, a feira de calçado de Milão, está agendada para os dias 20 a 23 de setembro, com medidas de segurança reforçadas. Fotografia DR

Calçado. Micam arranca este domingo e até há uma nova marca presente

Os ministros da Presidência do Conselho de Ministros, Mariana Vieira da Silva (C), Economia, Pedro Sia Vieira (E) e do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D). MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Portugal é o quarto país da UE onde é mais difícil descolar do mínimo

Preço do leite: produtores avançam para novo protesto