aviação

Presidente da Embraer sai em abril

Embraer. REUTERS/Paulo Whitaker/File Photo
Embraer. REUTERS/Paulo Whitaker/File Photo

Paulo Cesar de Souza e Silva vai tornar-se conselheiro principal do conselho de administração da fabricante de aviões brasileira.

A construtora brasileira de aeronaves Embraer anunciou na segunda-feira que o presidente da empresa, Paulo Cesar de Souza e Silva, termina as funções em 22 de abril, quando acaba o mandato, mas vai continuar ligado à empresa.

“A Embraer, após aprovação dos acionistas da transação com a Boeing, anuncia que (…) Paulo Cesar de Souza e Silva encerra um bem-sucedido ciclo profissional na companhia no próximo dia 22 de abril”, informa a empresa em comunicado.

Segundo o comunicado, Paulo Cesar, de 63 anos, irá continuar ligado à Embraer, na qual exercerá funções de ‘senior advisor’ do conselho de administração, “com a incumbência de facilitar a integração do próximo presidente e CEO, e assessorar o conselho no acompanhamento da segregação de ativos e recursos, parte do processo de conclusão da parceria com a Boeing”.

Há 22 anos na Embraer, Paulo Cesar fez carreira no mercado financeiro, tendo chegado à construtora para estruturar a área de financiamento de vendas da companhia. Nos últimos seis anos desempenhou o cargo de presidente e CEO da empresa.

“Temos pela frente o desafio de continuarmos na vanguarda da engenharia e de operações. Na aviação executiva e na área de Defesa, com o KC 390, numa das ‘joint ventures’ com a Boeing, expandiremos a nossa integração internacional e tudo indica que teremos outros 50 anos de sucesso pela frente”, afirmou Paulo Cesar, citado no comunicado, acrescentando: “Tenho a certeza de que a nova liderança da empresa encontrará pela frente terreno fértil para expandir e consolidar a Embraer”.

Leia mais: OGMA contrata 100 pessoas e prepara academia de formação

A Embraer informa ainda que o futuro presidente e CEO, a ser eleito para o próximo mandato, será anunciado até à próxima assembleia-geral ordinária, agendada para o dia 22 de abril.

No passado dia 26 de fevereiro, os acionistas da fabricante brasileira aprovaram, em assembleia-geral, a venda do controlo da sua divisão comercial à norte-americana Boeing, para a criação de uma nova empresa.

A aprovação dos acionistas é uma das últimas etapas no processo de criação de uma nova empresa aeronáutica avaliada em 5,260 milhões de dólares (cerca de 4,63 milhões de euros).

O acordo determina que a Embraer deve vender 80% da sua divisão de aeronaves comerciais por 4,2 mil milhões de dólares (3,7 mil milhões de euros) para a Boeing, que terá a controlo total da nova sociedade. A empresa brasileira ficará com os 20% restantes.

A Embraer mantém unidades industriais, escritórios, centros de serviço e de distribuição de peças, entre outras atividades, nas Américas, África, Ásia e Europa.

Em Portugal, no Parque de Indústria Aeronáutica de Évora funcionam duas fábricas da Embraer, sendo que a empresa também é acionista da OGMA (65%), em Alverca, distrito de Lisboa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Não conseguiu validar as faturas para o IRS? Contribuintes têm mais um dia

O ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação das obras de arte da coleção BPN, agora integradas na Coleção do Estado, no Forte de Sacavém. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Fundo de Resolução já pagou em juros 530 milhões ao Estado e 90 milhões a bancos

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Venda do Novo Banco é “um não-assunto” para o Fundo de Resolução

Presidente da Embraer sai em abril