Resultados

Produção da Galp Energia subiu 3% no 2.º trimestre do ano

Fotografia: Filipe Amorim / Global Imagens
Fotografia: Filipe Amorim / Global Imagens

Os resultados foram publicados na página da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

A produção média de petróleo da Galp Energia cresceu 3% no segundo trimestre do ano, face ao mesmo período de 2018, para 109,7 mil barris por dia, segundo dados preliminares da empresa hoje publicados.

Este crescimento de 3% representa uma desaceleração relativamente ao aumento de 8% que tinha sido registado no primeiro trimestre do ano.

Os resultados, publicados na página da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), visam fornecer estimativas sobre as condições macroeconómicas operacionais e comerciais a que a Galp esteve sujeita no segundo trimestre de 2019.

Na informação enviada à CMVM, a empresa frisa que os dados disponíveis são valores preliminares e que toda a informação está sujeita a alterações e pode diferir dos resultados a publicar no dia 29 de julho.

A produção média no indicador “working interest” – a produção bruta de matéria-prima, sobretudo petróleo, que inclui todos os custos decorrentes das operações — registou igualmente uma subida de 3% no segundo trimestre face ao mesmo período do ano passado, fixando-se nos 111,7 mil barris produzidos por dia.

A refinação e distribuição registaram uma quebra de 10% nas matérias-primas processadas, enquanto nas vendas de produtos refinados se verifica uma redução de 4%, face ao período homólogo.

As vendas totais de gás natural ou liquefeito mantiveram-se e as vendas a clientes diretos cresceram 6%.

No segundo trimestre de 2018, a produção de petróleo da Galp Energia tinha aumentado 21% em termos homólogos, um resultado para o qual contribuiu a entrada em operação, em 2017, da unidade flutuante mais recente do pré-sal brasileiro.

Segundo os resultados divulgados na altura, por geografias, o crescimento da produção no Brasil (mais 24% para 101,4 barris) mostrava mais do que compensar a quebra registada em Angola (menos 15% para 5,3 barris), onde os campos em operação estavam em declínio, o que a Galp esperava inverter com a entrada prevista de duas unidades de produção flutuantes no projeto Kaombo.

Os dados preliminares do segundo trimestre deste ano mostram um crescimento em Angola de 8,7 mil barris/dia (1.º trimestre) para 12,1 mil barris por dia, um aumento de 40%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Produção da Galp Energia subiu 3% no 2.º trimestre do ano