vinhos

Produtor da Bairrada resgata práticas vitícolas com 50 anos

Casimiro Gomes lança edição especial em março
(Fábio Poço/Global Imagens)
Casimiro Gomes lança edição especial em março (Fábio Poço/Global Imagens)

O lançamento do Vinha d'Anita vai decorrer a 02 de março

Casimiro Gomes, produtor de vinhos da Bairrada, vai lançar no início de março um novo vinho a que batizou com o nome da mãe. Para a produção teve de resgatar práticas vitícolas da região com mais de 50 anos.

A marca Regateiro lança a 02 de março, em Águeda, o Vinha D’Anita, um tinto composto integralmente pela casta Baga e que o produtor Casimiro Gomes dedica à mãe, Ana Ganhoto, tratada pelos mais próximos por Anita.

A ligação deste vinho à mãe não se fica apenas pelo nome que pediu emprestado para a submarca, mas por o produtor ter optado por fazer um vinho à imagem das preferências da sua progenitora.

“Tem uma extração mínima, é menos alcoólico [cerca de 12,5 graus], não tem uma cor carregada, mas é um vinho de grande persistência. A minha mãe sempre preferiu esses vinhos”, contou à agência Lusa Casimiro Gomes, sublinhando que foi feito todo um trabalho “muito diferenciado”, recuperando as técnicas vitícolas dos anos 1960 e 1970.

O produtor considera que, ao longo dos anos, tentou-se forçar a casta Baga, natural da Bairrada, “a dar mais concentração, mais grau e ela não é assim”.

Para este vinho, foi recuperada a técnica de se retirarem as folhas “relativamente cedo”, com os cachos ainda verdes, para se adaptarem ao sol.

No final, acabou-se com um vinho da Bairrada “à antiga”, frisou Casimiro Gomes.

“É resgatar uma forma de se fazer vinho. É um perfil de vinho que deve existir e deve estar disponível para o mercado. Vai dar sensações e vai provocar no consumidor outro tipo de análise”, sublinhou.

Segundo o produtor, é fundamental “não se desprezar o conhecimento que muitas vezes era empírico e que passava de gerações para gerações”.

Este será um “vinho de nicho”, com cerca de 3.000 garrafas, e “um posicionamento diferenciado”, à imagem da restante marca Regateiro, com outros quatro vinhos, notou.

Por ano, a marca Regateiro produz cerca de 50 mil garrafas e exporta 70% do volume.

Os principais mercados são os Estados Unidos, Brasil e o mercado chinês, que está “a crescer com algum significado” apesar de ser muito irregular, referiu, registando ainda vendas para o Canadá e Europa do Norte, para além de Angola, que perdeu alguma da sua importância nos últimos anos.

O objetivo, sublinhou, passa agora por aumentar a produção para o dobro – 100 mil garrafas -, num espaço de seis anos, e lançar mais submarcas que deverão seguir a filosofia expressa no Vinha d’Anita: “Pegar na tradição”.

“Pontualmente, ainda se conseguem encontrar vinhos desses em garrafeiras muito antigas ou em caves particulares e quando se prova um vinho desses há um esforço de memória para percecionar o que está para trás. Não havia conhecimento técnico ou científico”, frisou, realçando que também é preciso dar valor àquilo que “os antepassados faziam”.

O lançamento do Vinha d’Anita vai decorrer a 02 de março, a partir das 20:00, no restaurante Casa Vidal, em Águeda.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Euronext Lisboa. Fotografia: Global Imagens

Menos de metade das cotadas entregaram planos para igualdade

Euronext Lisboa. Fotografia: Global Imagens

Menos de metade das cotadas entregaram planos para igualdade

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Produtor da Bairrada resgata práticas vitícolas com 50 anos