Saúde

Produtora de canábis entra em Portugal com 51% da Gaia Pharm

canabis

A filial portuguesa, que vai ser constituída até ao final de 2020, pretende atingir cerca de duas toneladas de canábis, por ano, em Portugal

A canadiana Aurora Cannabis vai entrar em Portugal, após ter comprado 51% da Gaia Pharm, produtor de marijuana medicinal, por um valor não revelado, foi anunciado, esta terça-feira.

Portugal constitui “um mercado atrativo” devido à sua “legislação favorável aos produtores” e à “competitividade da mão-de-obra”, disse, num comunicado citado pela AFP, a Aurora Cannabis, uma das maiores produtoras mundiais de canábis.

De acordo com a mesma fonte, a filial portuguesa da Aurora Cannabis, que vai ser constituída até ao final do terceiro trimestre de 2020, pretende atingir cerca de duas toneladas de canábis, por ano, em Portugal.

“Com este novo projeto, passamos a estar presentes em 24 países, o que nos afirma, acreditamos nós, como a empresa de canábis com maior presença no mundo”, referiu, no mesmo documento, o presidente executivo da Aurora Cannabis, Terry Booth.

Com a filial portuguesa pretendemos ainda “conquistar uma quota significativa no mercado europeu, que está em rápido crescimento”, sublinhou.

A legalização do uso de canábis para fins medicinais foi aprovada em junho de 2018 e a regulamentação foi publicada em Diário da República em 15 de janeiro.

A regulamentação estabelece que o cultivo, fabrico e comércio da canábis para fins medicinais só pode ser feito depois de autorização do Infarmed, que deve ser atualizada todos os anos.

Estabelece também que os produtos à base de plantas de canábis só podem ser vendidos através de prescrição médica, e que as entidades que tiverem autorização para o cultivo, o fabrico, comercialização ou importação de medicamentos à base da planta de canábis devem renovar o pedido de autorização todos os anos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Teste - Redação DV

Liberdade e sustentabilidade dos media, com ou sem apoio do governo?

Regime dos residentes não habituais garante isenção de IRS a quem recebe pensões do estrangeiro.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Primeiros 18 residentes não habituais prestes a perder benefício

Miguel Albuquerque, do PSD Madeira.

Projeção. PSD perde maioria absoluta na Madeira

Outros conteúdos GMG
Produtora de canábis entra em Portugal com 51% da Gaia Pharm