Projeto-piloto pretende transformar vegetação indesejada em combustível

Um projeto-piloto de produção de biocombustível a partir de vegetação espontânea vai ser instalado na região de Oliveira do Hospital, envolvendo o Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG), de acordo com um protocolo hoje anunciado.

“As primeiras amostras deste biocombustível deverão ser testadas em alguns veículos entre 2013 e 20142”, disse esta tarde à agência Lusa o investigador João Nunes, administrador da Plataforma para o Desenvolvimento da Região Interior Centro (BLC3).

A Plataforma, com sede em Oliveira do Hospital, assinou com aquele laboratório do Ministério da Economia um protocolo de cooperação “para apoiar o processo de desenvolvimento” do BioREFINA-Ter, definido como “o maior projeto nacional na área dos biocombustíveis de segunda e terceira geração”.

João Nunes salientou que este protocolo traduz “uma nova visão de investigação”, ao procurar “unir o que existe de melhor em Portugal” na área das biorrefinarias: “Este é um protocolo estratégico com que pretendemos consertar esforços neste domínio”.

O projeto-piloto de investigação abrange os concelhos de Oliveira do Hospital, Tábua, Arganil e Góis, “através da construção de uma biorrefinaria de demonstração industrial” com capacidade para produzir anualmente cerca de 25 milhões de litros de biocombustíveis.

“O BioREFINA-Ter está concebido para transformar a vegetação espontânea da floresta em biocombustíveis substitutos do gasóleo e da gasolina, sem entrar em competição com o setor alimentar”, refere a BLC3 em comunicado.

O LNEG “quer ver Portugal a reduzir a dependência do petróleo através do projeto”, tendo em conta que o país “não apresenta avanços tecnológicos significativos no aproveitamento da biomassa”.

A biomassa “é uma opção chave para a energia mecânica”, sobretudo na área dos transportes, segundo os parceiros do acordo de colaboração.

Segundo o protocolo, o laboratório, responsável pela coordenação nacional do processo da verificação de sustentabilidade na produção de biocombustíveis, encara a sua cooperação no âmbito do BioREFINA-Ter como “demonstração do interesse inequívoco do LNEG em desenvolver este projeto de extrema importância para o desenvolvimento da região interior e da economia portuguesa”.

O LNEG realça “o facto de a floresta e a vegetação espontânea serem a principal fonte de biomassa” em Portugal, podendo representar dois terços da área total do país.

A BLC 3 assume o compromisso de instalar um Centro de Desenvolvimento Tecnológico no “cluster” das biorrefinarias e bioprodutos, recursos de biomassa e tecnologias avançadas, que terá ligações às universidades, entidades científicas e tecnológicas nacionais e estrangeiras, em especial ao Instituto Politécnico de Coimbra, através da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital.

A Plataforma produziu “pela primeira vez no mundo” biocrude a partir da giesta em finais do ano passado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Créditos ruinosos da Caixa nas mãos do Ministério Público

A330-900 neo

A330 neo. Associação de pilotos quer ouvir especialistas na Holanda

Greve de motoristas de matérias perigosas parou o país, em abril. 
(MÁRIO CRUZ/LUSA

Nova greve dos camionistas dia 12. Pré-aviso já foi entregue

Outros conteúdos GMG
Projeto-piloto pretende transformar vegetação indesejada em combustível