media

Provedor do ouvinte da RTP defende mais investimento na rádio pública

Fotografia: Pedro Rocha/Global Imagens
Fotografia: Pedro Rocha/Global Imagens

Provedor do ouvinte da RTP defendeu "mais investimento" na rádio pública e pediu mais atenção à onda média

O provedor do ouvinte da RTP, João Paulo Guerra, defendeu hoje “mais investimento” na rádio pública e pediu mais atenção à onda média, que considerou “essencial nas questões de catástrofe e emergência”.

João Paulo Guerra foi hoje ouvido na comissão parlamentar de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, no âmbito da apresentação do relatório de atividades relativo a 2017.

Questionado no final da audição pela Lusa sobre se a rádio continua a ser o parente pobre da RTP, João Paulo Guerra afirmou: “Continua, sem dúvida nenhuma”.

E adiantou que o presidente do Conselho de Administração da RTP “já reconheceu isso ao dizer que a rádio” merece “uma discriminação positiva para ser recompensada dos seus atrasos sucessivos no investimento”.

Sobre a audição parlamentar, João Paulo Guerra manifestou-se “agradavelmente surpreendido” pelo facto de “todos os deputados” da comissão de Cultura, Juventude e Desporto terem “lido o relatório” e ouvirem “o programa do provedor”.

Na audição, “transmiti a necessidade de haver mais investimento no meio rádio e de haver menos discriminação na rádio em relação à televisão”, adiantou.

Questionado sobre a importância da rádio em situações de catástrofe, já que este meio integra o ‘kit’ de emergência, o provedor do ouvinte disse: “O ‘kit’ está em vias de perder o meio da rádio que mais responde a um meio de emergência, que é a onda média [faixa de rádio]”.

E explicou que “a prioridade é para a FM e, portanto, até ver estão suspensos os investimentos na onda média”.

“A onda curta continua a ser essencial para um país com uma política de língua como é Portugal, como a onda média é essencial para situações de catástrofe a que o nosso país está sujeito como qualquer outro. A onda média tem muito mais alcance do que o FM”, salientou.

Instado a comentar se a rádio pública deveria ter feito mais durante os incêndios que assolaram Portugal no ano passado, causando mortos, o provedor do ouvinte disse: “Acho que sim, toda a gente podia ter feito muito mais”.

“Acho que é um dos exemplos em que a rádio não cumpriu completamente os seus deveres”, afirmou.

João Paulo Guerra espera que a rádio seja alvo de “mais atenção” e investimento.

“Não me canso de dizer em nome dos ouvintes que a rádio precisa de mais investimento”, concluiu.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Antonoaldo Neves EPA/GUILLAUME HORCAJUELO

TAP contrata mil tripulantes, traz 37 aviões novos e liga o Whatsapp (de graça)

Fotografia: João Girão/Global Imagens

Autoeuropa pode parar a qualquer momento por falta de espaço para os carros

gaspar fmi contas públicas défice dívida

FMI. Dívida mundial atinge máximo histórico de 162 biliões de euros

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Provedor do ouvinte da RTP defende mais investimento na rádio pública