estacionamento

Provedoria da Justiça: EMEL não deveria ficar com o valor das multas

Fotografia: Nuno Fox
Fotografia: Nuno Fox

Foi enviado um parecer ao Governo com considerações sobre a atuação das empresas municipais de estacionamento.

Numa exposição remetida ao Governo, ainda em 2017, o provedor adjunto da Justiça, Jorge Miranda Jacob, apelou a que as empresas municipais não recebessem o valor das multas de estacionamento cobradas aos condutores. Em causa, indica o documento, pode estar “a proteção dos particulares contra situações abusivas”. A notícia foi avançada pelo Jornal de Negócios.

O parecer foi enviado à Secretaria de Estado das Infraestruturas, que o remeteu para a Secretaria de Estado Adjunta e do Ambiente. Daqui o documento seguiu para a Associação Nacional dos Municípios Portugueses.

Jorge Miranda Jacob considera também que os montantes cobrados pelas tarifas, bem como a rapidez com que se passam as multas, são desadequados. O provedor adjunto da Justiça apela, assim, à “aprovação de legislação, fixando limites mínimos e máximos dos valores cobrados e harmonizar os critérios subjacentes à concessão de isenções”. Isto porque considera que existe uma “amplitude e disparidade de valores cobrados de norte a sul do país, bem como desigualdade dos critérios”.

O documento pronuncia-se ainda sobre problemas com os equipamentos, defendendo a Provedoria da Justiça que as empresas municipais de estacionamento instalem tecnologia que permita a deteção precoce de anomalias e também garantam a instalação de sinalética suficiente e adequada.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, durante a sua audição na Comissão de Saúde, na Assembleia da República, em Lisboa, 27 de fevereiro de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

ADSE já enviou novas tabelas de preços aos privados para negociação

Mario Draghi, Presidente do Banco Central Europeu. REUTERS/Kai Pfaffenbach

BCE discutiu pacote de medidas para estimular economia na reunião de julho

Hotéis de Lisboa esgotaram

“Grandes” eventos impulsionaram aumento dos preços na hotelaria em junho

Outros conteúdos GMG
Provedoria da Justiça: EMEL não deveria ficar com o valor das multas