PS recomenda suspensão da venda da EMEF e da CP carga

Processos foram aprovados no início de maio
Processos foram aprovados no início de maio

"Os processos de privatização e subconcessão exigem tempo de preparação, transparência política e espaço de concertação institucional". É assim que o grupo Parlamentar do Partido Socialista justifica a recomendação que fez ao Governo para suspender os processos de privatização da CP Carga e da EMEF.

O documento, que Rui Paulo Figueiredo e João Paulo Correia fizeram chegar à Assembleia da República, lembra que estes dois processos de alienação resvalam para a próxima legislatura, o que “por si só fragiliza esta decisão” e que estão a ser pautados por uma “urgência injustificada” que aumenta “a probabilidade do Governo incorrer no mesmo tipo de erros e trapalhadas do concurso da subconcessão da operação do Metro do Porto e da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP)”.

Os dois deputados socialistas criticam ainda o Governo por ter preparado “estas reprivatizações no segredo dos gabinetes ministeriais na mesma altura em que admitia publicamente que a liquidação da empresa era a possibilidade alternativa à privatização”. E referem que não são conhecidos “os estudos técnicos e informação económico-financeira que sustentaram a decisão do Governo pela venda direta de referência em detrimento de outras soluções, como a alienação parcial do capital para reforço da posição concorrencial da empresa”.”Mais injustificada se afigura a urgência privatizadora perante os resultados financeiros destas empresas relativos ao ano de 2014, uma vez que ambas geraram lucros”, refere o documento citado pela agência Lusa, assumindo que a CP Carga “apresenta uma considerável recuperação financeira” face a 2013, quando incorreu em “prejuízos de cerca de 23 milhões de euros”. “A mesma análise se aplica aos resultados financeiros da EMEF relativamente ao ano de 2014”, em que registou “resultados líquidos positivos de 909 mil euros”, afirmam.

O Governo publicou no dia 6 de maio dois decretos-lei que estabelecem o processo de reprivatização da CP Carga e da EMEF. Dois dias depois, o Conselho de Ministros aprovava os respetivos cadernos de encargos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Mário Centeno 
(EPA-EFE/PATRICIA DE MELO MOREIRA)

Lentidão nos reembolsos fazem disparar IRS em plena crise

Fotografia: José Sena Goulão/Lusa

Costa. Plano de rotas da TAP “não tem credibilidade”

portugal covid 19 coronavirus

1342 mortos e 31007 casos confirmados de covid-19 em Portugal

PS recomenda suspensão da venda da EMEF e da CP carga