Automóvel

PSA bate recorde de vendas depois da integração da Opel

Fotografia: REUTERS/Ina Fassbender
Fotografia: REUTERS/Ina Fassbender

O grupo francês PSA vendeu em 2018 um recorde de 3.877.765 automóveis no mundo, mais 6,8% do que em 2017.

O aumento é explicado pela integração nas suas contas das marcas Opel/Vauxhall compradas à norte-americana General Motors.

A integração nas contas ocorreu em agosto de 2017 e nos últimos cinco meses daquele ano foram vendidos 403.933 veículos Opel/Vauxhall, enquanto nos 12 meses de 2018 se venderam 1.038.057 automóveis, afirmou a empresa francesa, em comunicado.

Nas outras três marcas da PSA, o que mais se destacou foi o declínio de 17,91% da Peugeot, com 1.740.214 unidades, juntamente com uma ligeira queda de 0,89% da Citroën (1.046.229) e um ligeiro aumento de 0,77% da DS (53.265).

Por regiões, e porque a Opel/Vauxhall tem uma presença essencialmente europeia, foi neste continente que a PSA teve a progressão mais significativa, de 30,59%, para 3.106.160 veículos.

Neste caso, todas as marcas do grupo francês cresceram na Europa, designadamente 4,93% a Peugeot (1.231.327), 4,96% a Citroën (824.623) e 6,67% a DS (46.013). A Opel/Vauxhall contabilizou 1.004.197 matrículas nos 12 meses de 2018, contra 376.380 nos últimos cinco de 2017.

A empresa sublinha ainda que a sua quota de mercado europeu aumentou para 17,1% no final de 2018, o que significa 3,8 pontos a mais do que no final de 2017, quando geriu de forma “excelente” a passagem para a nova norma de emissões WLTP graças a uma oferta de veículos adaptados e menos poluentes.

Essa quota de mercado aumentou 4,2 pontos em Espanha, 2,6 em França, 3,9 em Itália, 4,8 no Reino Unido e 3,7 na Alemanha.

Fora da Europa, a PSA sofreu um revés de 32,2% na China e no Sudeste Asiático, com 262.583 veículos, de 52,8% no Oriente Médio e na África, com 291.998, e 15% na América Latina, com 175.257.

Só na China, a queda foi de 34,2%, quando o mercado daquele país caiu globalmente dois pontos percentuais.

A PSA disse ainda que está a trabalhar com os seus parceiros neste país asiático para superar a situação e citou em particular a sua estratégia de eletrificação com a marca Fukang, que será seguida pela implantação de outros modelos elétricos da Peugeot, Citroën e DS.

Na América Latina, o mau comportamento esteve relacionado principalmente com o colapso do mercado argentino no segundo semestre (-32%), mas também com as “dificuldades” no Brasil, que não puderam ser compensadas com os aumentos no Chile, México, Colômbia, Peru, Uruguai e Equador.

Em relação às regiões do Médio Oriente e África, os resultados foram prejudicados pela suspensão da atividade no Irão, devido às sanções dos Estados Unidos, e pelo recuo no mercado turco.

As vendas da PSA cresceram 1,6% na região da Índia-Pacífico, com 26.479 veículos, e 0,5% na Eurásia (conjunto Europa/Ásia), com 15.288.

No mercado dos veículos de transporte de mercadorias, a empresa francesa alcançou no ano passado um novo recorde de registos em todo o mundo, com 564.147, e um aumento de 18,3%, o que atribuiu à renovação da sua gama.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
REUTERS/Pedro Nunes/File Photo

Programa de arrendamento acessível arranca a 1 de julho. Tudo o que deve saber

Fotografia: Pedro Rocha/Global Imagens

Governo questiona RTP sobre não transmissão de Jogos de Minsk

DHL Express Store2

DHL Express vai investir até 600 mil euros em rede de lojas pelo país

Outros conteúdos GMG
PSA bate recorde de vendas depois da integração da Opel