Telecomunicações

PT Portugal fecha 2016 com 2,3 mil milhões de receitas

Paulo Neves, CEO da PT Portugal

Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens
Paulo Neves, CEO da PT Portugal Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

No último trimestre dona do Meo volta a registar crescimento das receitas, interrompendo um ciclo de 32 trimestres em quebra.

A PT Portugal fechou o ano passado com receitas de telecomunicações de 2,3 mil milhões de euros, o que representa uma quebra de 1,5% face ao anterior, ainda assim representa uma melhoria face ao fecho de 2015, ano em que a dona do Meo viu os proveitos cair 7,3%.

Excluindo o impacto regulatório, com a descida das terminações móveis, a receita teria caído apenas 0,5% o ano passado. A dona do Meo fechou o ano com um EBITDA de 1,089 milhões de euros, valor que representa uma subida de 12,5%, com a margem EBITDA a crescer de 41,2% para 47,1%.

No último trimestre de 2016 as receitas subiram 0,5% face a igual período do ano anterior, para 580 milhões de euros, apoiada numa melhoria das várias linhas de receita. Havia 32 trimestres que a PT não registava subida de receitas.

“Os resultados que hoje apresentamos em Portugal, a par do que se verificou em França e o forte desempenho nos EUA, mostram uma clara inversão na tendência de queda de receitas que se verificava há 32 trimestres, e são a prova que em menos de dois anos, a estratégia adotada pela Altice permitiu à PT retomar o caminho do crescimento”, destaca Paulo Neves, Chairman e CEO da PT Portugal.

Excluindo o impacto regulatório, como a descida das terminações móveis, a receita teria crescido no período 1,3%. No trimestre o EBITDA teria crescido 7,8%, para 265 milhões.

Investimento sobe para 399 milhões

O ano passado a PT Portugal investiu um total de 399 milhões de euros, mais 20,5% do que em 2015, refletindo a aposta na expansão da rede fibra e de nova geração. A companhia fechou o ano passado com 2,955 milhões de casas passadas com fibra, para um total de 4,985 milhões de casas ligadas com rede da companhia. Para este ano, já anunciou a aceleração do processo de implementação da rede com vista a ligar 5,3 milhões de casas até 2020.

A operadora adicionou mais 29 mil clientes de fibra na área de consumo no último trimestre, para um total de 478 mil. Na fibra a receita média por cliente fixou-se nos 39,7 euros, uma descida face aos 40,1 euros obtidos em 2015.

No mobile, a Meo fechou com 6,169 milhões de clientes, uma descida face aos 6,252 milhões que detinha em 2015. Destes, 2,722 milhões têm uma assinatura, mas neste segmento regista-se uma perda de 12 mil clientes no último trimestre. A receita média no mobile é de 6,8 euros. Há um ano era de 6,9 euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O sismo da Terceira de 1980
(Arquivo DN)

Risco de sismo é real. Seguradores querem fundo prioritário no próximo governo

O sismo da Terceira de 1980
(Arquivo DN)

Risco de sismo é real. Seguradores querem fundo prioritário no próximo governo

João Galamba, Secretário de Estado da Energia 
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

João Galamba: “Há diferença entre encontrar rendas excessivas e cortá-las”

Outros conteúdos GMG
PT Portugal fecha 2016 com 2,3 mil milhões de receitas