PT vai cortar apoio técnico de prestadores em outsourcing

Altice assumiu liderança da PT a 2 de junho

"A PT Portugal quer reduzir no outsourcing, com o trabalho técnico a ser feito exclusivamente por quadros da PT". Atualmente há cerca de 3 mil pessoas a prestar externamente serviço técnico para a PT, mas o número exacto de colaboradores afetados não foi adiantado ontem durante a apresentação da segunda fase de reorganização da operadora, adianta Jorge Félix, presidente do Sindicato de Trabalhadores do Grupo PT.

A Altice quer que as equipas que vão a casa dos clientes sejam quadros da PT e, para isso, pretende realocar técnicos de telecomunicações internos – neste momento, por exemplo, a trabalhar nas salas de distribuição da Direção Operacional em funções de organização e de e envio de equipas técnicas ao local – no terreno. “À medida que os contratos com os prestadores em outsourcing chegarem ao fim, a ideia é não renovar”, explica Jorge Félix. O processo deverá ser feito de forma gradual, não tendo sido adiantado um prazo, nem quantos trabalhadores poderão ver as suas funções alteradas.

O grupo francês tinha prometido para setembro dar a conhecer a segunda fase de reorganização da companhia, depois de em julho ter apresentado uma estrutura de onde desapareceram mais de 30 cargos de direção de primeira linha. No âmbito dessa reorganização, pouco mais de um mês após a Altice ter assumido a gestão da PT, a operadora passou a ter 42 em vez de 76 diretores a reportar directamente à Comissão Executiva liderada por Paulo Neves.

A estrutura ontem revelada – e que os diretores irão dar a conhecer o detalhe às suas equipas esta semana – passou igualmente pela “reorganização de direções e integração de departamentos”, descreve Jorge Félix, à semelhança do que tinha sucedido em julho, mas quantas direções de 2.ª e 3.ª linha eram afetadas, não foi adiantado. Tornar a companhia mais ágil é o objetivo, tendo sido garantido que o objetivo é manter a empregabilidade, não afetando os salários, diz Jorge Félix. “A reestruturação não vai ficar por aqui, ainda há a questão das empresas”, continua. Meo, PT Inovação (Aveiro) ou Sapo são para manter, mas ainda não é claro o que acontecerá no universo de 20 empresas do grupo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Banco de Portugal

Bancos concederam moratórias a 741 623 empréstimos entre março e junho

Fotografia: D.R.

OIT. 42% dos jovens viu rendimento reduzir devido à pandemia

recibos verdes

Recibos verdes com trabalho dependente passam a ter apoio

PT vai cortar apoio técnico de prestadores em outsourcing