Empresas

Publicidade no YouTube rende 15 mil milhões à Alphabet

Google, Alphabet
(Robyn Beck / AFP)

Dona da Google apresentou resultados financeiros do último trimestre de 2019 e para o ano fiscal. Em 2019, atingiu lucros de 34 mil milhões de dólares

A Alphabet revelou resultados financeiros, com algumas novidades – pela primeira vez, a tecnológica está a indicar os valores atingidos pelas diferentes áreas de negócio. Durante o exercício do ano fiscal de 2019, a Alphabet atingiu receitas de 161 mil milhões de dólares, cerca de 145 mil milhões de euros, à conversão atual. Comparando com 2018, as receitas da gigante da Internet cresceram 18%.

A região EMEA (Europa, Médio Oriente e África) contribuiu para os resultados totais com 14 mil milhões de dólares. Por regiões, a área EMEA é a segunda área que mais receitas gera para a Alphabet – é apenas ultrapassada pelas receitas dos Estados Unidos (21 mil milhões de dólares).

O valor das receitas totais em 2019 é o resultado combinado das diferentes apostas da tecnológica: pesquisa, YouTube, Cloud ou Other Bets. Assim, com a indicação das receitas geradas pelas várias áreas, foi finalmente conhecido o contributo da publicidade no YouTube: ao longo de 2019, esta área gerou 15 mil milhões de dólares (mais de 13,8 mil milhões de euros).

Olhando para os resultados apresentados pela casa-mãe da Google, as receitas geradas pela publicidade no YouTube quase duplicaram em relação a 2017. Nesse ano, as receitas geradas por anúncios na plataforma de vídeo geraram oito mil milhões de dólares.

No entanto, os números das receitas do YouTube parecem modestos quando comparados com as receitas geradas pela pesquisa e anúncios. Ao longo de 2019, a área de pesquisa garantiu 98 mil milhões de dólares à Alphabet; já a área de anúncios garantiu 134 mil milhões de dólares. Em ambos os casos, estes valores estão a crescer ao longo dos dois últimos anos.

As receitas na área da cloud também estão em expansão: em 2019, contribuíram com 8,9 mil milhões de dólares, o dobro das receitas geradas em 2017.

No final do ano fiscal passado, os lucros da Alphabet situaram-se nos 34 mil milhões de dólares (30,8 mil milhões de euros), mais quatro mil milhões de dólares do que em 2018.

A Alphabet encerrou o ano com mais de 118 mil empregados, mais 20 mil colaboradores do que em 2019.

Despesas continuam a crescer

Os gastos e despesas da Alphabet cresceram consideravelmente em 2019. Enquanto em 2019 os valores ficavam nos 109 mil milhões de dólares, no ano passado a Alphabet gastou quase mais 18 mil milhões de dólares. Os custos e despesas ultrapassaram os 127 mil milhões em 2019.

Há outros valores que saltam à vista. Um deles é a área dedicada às multas aplicadas pela União Europeia. Embora o valor seja mais baixo em 2019 (5 mil milhões de dólares), as multas fizeram a dona da Google gastar um valor de 1,7 mil milhões de dólares.

Também os gastos com investigação e desenvolvimento continuam a crescer: a Alphabet dedicou 26 mil milhões de dólares a esta área, mais cinco mil milhões em comparação com 2018.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens

TAP também vai avançar com pedido de layoff

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

Publicidade no YouTube rende 15 mil milhões à Alphabet