Prémio Inovação NOS

Quem disse que as transações bancárias não podiam ter uma rede social?

Sede Caixa Geral de Depósitos, em Lisboa. Foto: DR
Sede Caixa Geral de Depósitos, em Lisboa. Foto: DR

A Caixa está a estudar a possibilidade de exportar funcionalidades desta aplicação para outras empresas do grupo, como a Caixa Direta.

Os estudantes universitários são os grandes entusiastas do Caixa Plim, a aplicação que permite pedir dinheiro e fazer pequenos pagamentos e transferências entre amigos e contactos de forma imples e fácil e enviando, ao mesmo tempo, mensagens ou fotos.

Basta um número de telemóvel e a operação bancária pode ser feita ali, logo na hora. Apesar de muito popular entres jovens universitários, é cada vez mais uma aplicação transversal, nos vários escalões etários, segundo fonte oficial da Caixa Geral de Depósitos, a mentora da ideia, que esteve entre as finalistas do Prémio Inovação NOS, o ano passado.

Sem querer avançar com números, a Caixa Geral de Depósitos garante que tem havido um crescimento constante do volume de transações, e de novos utilizadores da aplicação, lançada em 2014.
A adesão maior entre os estudantes é explicada pelo banco pela concentração geográfica de clientes Caixa que existe nas universidades parceiras onde o banco faz, com alguma regularidade, demonstrações da aplicação.

Inicialmente, quando foi lançado, o Caixa Plim só podia ser utilizado entre clientes da Caixa. Entretanto, já em 2016, passou a ser possível realizar transações com clientes de outros bancos. “Com o lançamento posterior da aplicação MB Way, que permitiu aos restantes bancos disponibilizarem um serviço similar aos seus clientes, foi possível efetuar a integração de serviços com o Plim, permitindo aos utilizadores desta aplicação enviar e receber pagamentos de clientes de outros bancos”, explica a entidade bancária.

As potencialidades do Caixa Plim, que está disponível em iOS, Android e Windows, enquanto facilitador de transferências levou já a Caixa Geral de Depósitos a estudar a exportação de algumas das suas funcionalidades para outras aplicações do banco, até para a própria Caixa Direta. “São hipóteses que estão ainda a ser estudadas”, assume a mesma fonte.

No próprio Caixa Plim estão em estudo também novas funcionalidades de âmbito social: “Quanto mais facilitarmos a vida aos clientes melhor, sem necessidade de email e homebanking para realizar as transferências e pagamentos”.

Rede social
O Caixa Plim permite fazer contas na hora, mesmo que não tenha dinheiro consigo. Por isso mesmo, também há quem lhe chame a aplicação das contas certas entre amigos. E funciona como uma rede social para as transações porque permite, por exemplo, juntar uma imagem ou uma mensagem personalizada ao pagamento ou transferência.

Se comprou um presente para um amigo comum, por exemplo, basta depois que cada um faça Plim, logo na hora, pelo valor que lhe cabe na conta dividida. E o cliente ainda é avisado quando a pessoa paga para poder responder-lhe.

Outra funcionalidade interessante do Plim é, por exemplo, ter uma calculadora para facilitar a divisão da conta pela mesa no final do jantar. Ou, ainda, dispor de uma lista com os convivas do jantar e um visto à frente dos que já pagaram. A aplicação permite-lhe fazer a organização por categorias e ir organizando as contas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
( Pedro Rocha / Global Imagens )

Défice atinge 1,9% até junho. Meta do governo é de 0,7%

casas de lisboa

Preço das casas ainda sobe, mas já está a abrandar

No final de 2019 Estado terá mais 11 400 novos funcionários

Outros conteúdos GMG
Quem disse que as transações bancárias não podiam ter uma rede social?