Telecomunicações

Receitas da Altice Portugal caíram 6,5% até março para 506,7 milhões

Alexandre Fonseca, CEO da Altice Portugal
Fábio Poço/Global Imagens)
Alexandre Fonseca, CEO da Altice Portugal Fábio Poço/Global Imagens)

Operadora liderada por Alexandre Fonseca foi penalizada pela quebra de faturação em todos os segmentos de negócio.

As receitas da Altice Portugal caíram 6,5% no primeiro trimestre para 506,7 milhões, com as receitas consolidadas, extraídos os 11,9 milhões de receitas geradas inter geografias, a recuar 7,1% para 494,9 milhões. A operadora liderada por Alexandre Fonseca foi penalizada pela quebra de faturação em todos os segmentos de negócio, segundo o comunicado de divulgação de resultados emitido esta quinta-feira.

A Altice Portugal, devido à quebra de receitas, reduziu a sua margem de EBITDA (lucros antes de juros, impostos, amortizações e depreciações). A margem de negócio recuou quatro pontos percentuais, de 47,3% para 43,3% (ou de 256,6 para 219,2 milhões de euros).

O mercado fixo de comunicações para consumidores particulares representou a maior perda de receitas para a dona do Meo. Só nos primeiros três meses do ano, a faturação neste segmento diminuiu 11,9%, de 176,2 para 155,3 milhões de euros. A receita média por cliente (ARPU) teve uma quebra de 5,5% em comparação com o mesmo período de 2017. Cada cliente neste segmento vale 32,7 euros por mês.

A empresa detida por Patrick Drahi justifica esta diminuição com as alterações à fidelização: “a descida do ARPU reflete a decisão, no terceiro trimestre de 2017, de abrir a base de clientes para deixarem de estar fidelizados, o que obrigou a maior atividade de retenção; além disso, registou-se uma ausência de aumento de preços em 2018”.

As mudanças nas regras de fidelização também levaram à quebra das receitas no mercado móvel de comunicações para particulares, embora em menor escala. A faturação neste segmento recuou 4% para 134,9 milhões de euros. A receita média por cliente recuou 5,1% por causa do “aumento da oferta de promoções para os clientes passarem de cartões pré-pagos para pós-pagos”. Cada cliente móvel com assinatura vale 9,5 euros por mês.

No mercado empresarial, registou-se uma quebra de receitas de 4,3% para 145,4 milhões de euros devido às descidas de preços de serviços, que “têm enfrentado forte concorrência”.

Mais casas ligadas; menos investimento

A Altice Portugal assinala que já há 4,2 milhões de casas com acesso a fibra ótica; há um ano, eram 3,4 milhões de habitações. Até 2020, a empresa quer 5,3 milhões de residências com esta solução. Estes resultados foram possíveis apesar da redução de investimento de 2,9 milhões de euros, de 107,5 para 104,7 milhões de euros.

A empresa indica apenas que este montante “reflete os investimentos contínuos na rede de telecomunicações”.

Venda de torres apontada para segundo semestre

A conclusão da venda de cerca de 3 mil torres do Meo em Portugal é apontada pelo grupo para a segunda metade do ano.
O Expresso noticiou que António Pires de Lima (antigo ministro da Economia) e Sérgio Monteiro (ex-secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações) estão entre os potenciais concorrentes à compra deste ativo colocado à venda pela Altice este ano, no âmbito da alienação de ativos não estratégicos para abater a dívida de mais de 50 mil milhões de euros.
Os antigos governantes, diz o semanário, ter-se-ão juntado a um consórcio liderado pela Morgan Stanley Infrastruture.
A venda de 10 mil torres em França é apontada para a mesma data. Já a conclusão da venda do negócio grossista de voz internacional Portugal, França e República Dominicana é esperada para “final do ano de 2018”. A Altice fechou acordo com a Tofane Global.
(Notícia atualizada às 15h 18 precisando receitas individuais da PT e as consolidadas pelo grupo extraído o impacto das receitas geradas pela prestação de serviços da PT a empresas do grupo Altice)

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Pedro Queiroz Pereira

Pedro Queiroz Pereira deixa império de mil milhões

Pedro Queiroz Pereira, presidente do conselho de administração da Semapa

Semapa: “Mais do que um património, PQP deixa força e deixa valores”

Outros conteúdos GMG
Receitas da Altice Portugal caíram 6,5% até março para 506,7 milhões