EMEL

Rede de bicicletas partilhadas em Lisboa começa a ser testada na quarta-feira

Fotografia: direitos reservados
Fotografia: direitos reservados

A EMEL informou hoje que a rede de bicicletas partilhadas começa a ser testada por voluntários e por convidados na quarta-feira.

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) informou hoje que a rede de bicicletas partilhadas começa a ser testada por voluntários e por convidados na quarta-feira, depois de ter estimado iniciar esta fase em março.

Em declarações à agência Lusa, fonte da EMEL indicou que, durante a manhã de quarta-feira, haverá uma apresentação do projeto aos jornalistas, enquanto à tarde será explicado aos voluntários que se inscreveram para o testar e aos convidados da empresa que também o farão.

“Esperamos que esta fase dure um mês”, acrescentou a mesma fonte.

Em meados de fevereiro passado, a EMEL divulgou que iria abrir candidaturas para os voluntários que quisessem, durante o mês de março, testar a rede de bicicletas partilhadas no Parque das Nações, fazendo depois recomendações ao projeto.

Porém, a introdução “de melhoramentos” na rede e a “instalação das infraestruturas” originaram atrasos no arranque, apontou a fonte da empresa.

Em causa está uma rede de 1.410 bicicletas (940 elétricas e 470 convencionais) distribuídas por 140 estações: 92 no planalto central da cidade, 27 na baixa e frente ribeirinha, 15 no Parque das Nações e seis no eixo entre as avenidas Fontes Pereira de Melo e da Liberdade.

Inicialmente, avançará apenas uma fase piloto com 10 estações e um máximo de 100 bicicletas no Parque das Nações.

Todas as bicicletas estarão associadas a uma aplicação móvel (intitulada Lisboa Bike Sharing), através da qual será possível utilizar a rede.

O investimento da EMEL no projeto é na ordem dos 23 milhões de euros, através de um contrato de prestação de serviços celebrado com a empresa portuguesa Órbita, para um período de oito anos.

De acordo com o plano de negócio do projeto, divulgado em fevereiro do ano passado, o passe anual deverá custar 36 euros e o bilhete diário dez euros, pelo que a empresa perspetiva uma receita de 897.321 euros por ano.

Relativamente à publicidade, o plano de negócio prevê a cobrança de 350 euros por bicicleta, o que deverá representar um encaixe financeiro anual superior a 400 mil euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: GREGÓRIO CUNHA/LUSA

Seguradoras têm obrigação de indemnizar mesmo em estado de calamidade

Promotoras imobiliárias começam a receber faturas relativas ao AIMI. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Imobiliárias com casas em stock pagam faturas milionárias de AIMI

Foto: REUTERS/Paulo Whitaker

Falta de pontualidade nos aeroportos portugueses ronda os 20%

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Rede de bicicletas partilhadas em Lisboa começa a ser testada na quarta-feira