Automóvel

Renault: Preso no Japão há dois meses, Carlos Ghosn demite-se

Carlos Ghosn. REUTERS/Benoit Tessier
Carlos Ghosn. REUTERS/Benoit Tessier

Ghosn é suspeito de ter omitido às autoridades bolsistas, entre 2010 e 2015, uma grande parte dos seus proveitos pelas funções na Nissan.

O presidente do construtor automóvel francês Renault Carlos Ghosn, preso no Japão há mais de dois meses, demitiu-se, anunciou esta quinta-feira o ministro francês das Finanças, Bruno Le Maire, à agência France Presse (AFP).

Esta demissão foi comunicada na quarta-feira às autoridades internas da empresa, acrescentou Le Maire.

Fonte próxima da empresa disse também à agência francesa que o presidente e diretor geral se demitiu.

“O conselho de administração vai tomar posição em breve”, referiu a mesma fonte.

Uma reunião do conselho de administração da Renault realiza-se a partir das 10:00 (09:00 em Lisboa) em Boulogne-Billancourt (sudoeste de Paris). Uma equipa composta por Thierry Bolloré, adjunto e delfim de designado de Carlos Ghosn, e Jean-Dominique Senard, patrão da Michelin, deverá ser empossada oficialmente na liderança do construtor automóvel.

Carlos Ghosn estava à frente da Renault desde 2005, mas está detido no Japão há mais de dois meses. É suspeito de ter omitido às autoridades bolsistas, entre 2010 e 2015, uma grande parte dos seus proveitos pelas funções na Nissan.

O julgamento, no qual arrisca 15 anos de prisão, não ocorrerá nos próximos meses.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Acionistas do Millennium BCP à chegada para a assembleia-geral anual, nas instalações do banco no Taguspark, em Oeiras, 22 de maio de 2019. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Acionistas do BCP aprovam dividendos e compensação de trabalhadores

(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Comissão de Trabalhadores exige integração da EMEF na CP

Novo Banco. Foto: REUTERS/Rafael Marchante/File Photo

Call-center no Novo Banco passa a ser externo. Trabalhadores saem do banco

Outros conteúdos GMG
Renault: Preso no Japão há dois meses, Carlos Ghosn demite-se