correios

Repartição de gastos entre atividade postal e bancária é inadequada, diz Anacom

Fotografia: Pedro Granadeiro / Global Imagens
Fotografia: Pedro Granadeiro / Global Imagens

Auditoria externa pedida pela Anacom revelou uma incorreta repartição dos custos entre o serviço postal e a atividade bancária dos CTT

A Anacom considerou inadequada a repartição de custos entre a atividade postal e a atividade bancária dos CTT, tendo determinado que os Correios alterem a sua contabilidade analítica para refletir corretamente os gastos.

A “Anacom concluiu que os resultados do sistema de contabilidade analítica dos CTT relativos a 2016 não estão conformes com os princípios orientadores daquele sistema. Em causa está a inadequada repartição de gastos entre a atividade postal e a atividade bancária ao nível da rede comercial (estações de correio)”, informou o regulador em comunicado.

A auditoria realizada pela Grant Thornton & Associados, aos resultados do sistema de contabilidade analítica dos CTT para os exercícios de 2016 e 2017, revelou que para o ano de 2016 “não existe uma adequada separação entre estas duas atividades para uma parte significativa destes recursos, de acordo com os princípios orientadores, nomeadamente o princípio da causalidade”.

“Estará em causa uma sobrevalorização de gastos alocados à atividade postal, por contrapartida de uma subvalorização dos gastos imputados à atividade bancária, nomeadamente, no que respeita a depreciações, amortizações, rendas e alugueres de ativos tangíveis (móveis e imóveis), custo de capital, impostos e taxas, seguros, conservação e reparação, utilidades (e.g. água, eletricidade), limpeza e vigilância, e consumíveis diversos”, descreve o regulador.

Uma preocupação que não é de agora, lembra o regulador, já que em face aos resultados de 2015 do sistema de contabilidade analítica (SCA) dos CTT, “já havia sinalizado aos CTT esta preocupação, dado que o Banco CTT abriu um balcão piloto em dezembro de 2015.”

“É de notar que, de acordo com o enquadramento regulamentar em vigor, a fixação dos preços dos serviços postais que integram a oferta do serviço universal obedece, entre outros, ao princípio da orientação para os custos, devendo os preços incentivar uma prestação eficiente do serviço universal”, frisa o regulador.

Nesse sentido, a Anacom “aprovou um sentido provável de decisão que inclui um projeto de declaração de não conformidade dos resultados do sistema de contabilidade analítica dos CTT de 2016 e determinando a reformulação dos resultados do sistema, de 2016 e 2017, tendo em vista a sua conformidade com os princípios orientadores”.

Os CTT têm 20 dias para se pronunciarem.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Turistas passeiam na baixa de Quarteira dia 19 de março de 2020. (LUÍS FORRA/LUSA)

Desemprego no Algarve triplica em maio por quebras no turismo

(MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

OE Suplementar: Oposição levou 263 propostas a votação, passaram 35

O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Orçamento Suplementar em 5 minutos

Repartição de gastos entre atividade postal e bancária é inadequada, diz Anacom