Repsol formaliza investimento de 657 milhões com o Governo

O projeto da Repsol integra a construção de duas fábricas de polímeros, que deverão estão concluídas até 2025.

A Repsol assinou esta quarta-feira o contrato de investimento de 657 milhões de euros para a ampliação do seu complexo industrial de Sines, projeto classificado com potencial interesse nacional (PIN) e alvo de incentivos fiscais no valor de até 63 milhões de euros.

A cerimónia contou com a presença do primeiro-ministro, António Costa, do ministro de Estado, da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira, do presidente da Repsol, Antonio Brufau e do CEO, Josu Jon Imaz.

Este investimento prevê a construção de duas fábricas de polímeros a concluir até 2025, cada uma com uma capacidade de 300 mil toneladas por ano, com produtos 100% recicláveis. O projeto afirma-se como o maior dos últimos dez anos em Portugal e potenciador de um maior equilíbrio da balança comercial do país.

Segundo comunicado da Repsol, as tecnologias das duas unidades industriais "garantem a máxima eficiência energética", sendo as primeiras do género a serem instaladas na Península Ibérica.

As fábricas irão contribuir "para a integração e diversificação da área industrial da Repsol e a sua liderança na Europa", adianta ainda o grupo.

O projeto empregará uma média de 550 pessoas na fase de construção, atingindo um pico de mais de 1.000 postos de trabalho. Quando estiver operacional, o aumento líquido de postos de trabalho será de cerca de 75 empregos diretos e 300 indiretos.

Para Josu Jon Imaz, CEO da Repsol, "este investimento demonstra o compromisso da Repsol com o seu complexo industrial e com a geração de riqueza e emprego de qualidade em Portugal".

O complexo industrial de Sines "tornar-se-á numa referência europeia e os materiais avançados que produzirá terão um papel importante na descarbonização da sociedade", disse ainda.

A Repsol emprega, diretamente, em Portugal 1.300 pessoas, tem 150 mil clientes diários e uma quota de mercado que, em alguns negócios, ultrapassa os 20%.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de