Escândalo Volkswagen

Reputação do ‘made in Germany’ não será afetada pelo escândalo Volkswagen

Sociólogo acredita que a ligação emocional à empresa é "perigosa"
Sociólogo acredita que a ligação emocional à empresa é "perigosa"

O especialista alemão em sociologia das organizações Marcel Schuetz diz que o escândalo da Volkswagen deixou uma "onda de histeria e ultraje" mas acredita que a reputação da restante produção alemã não está em risco.

“As pessoas estão furiosas mas a Alemanha tem marcas com muita procura em todo o mundo, é improvável que a reputação do ‘Made in Germany’ seja afetada”, explicou o sociólogo alemão, em declarações à Lusa, a propósito do escândalo de manipulação de emissões poluentes do grupo Volkswagen, que teve um efeito negativo na produção de motores, na imagem da empresa e contribuiu para perdas nas bolsas internacionais.

Marcel Schuetz explicou que o escândalo da Volkswagen não é caso único e este género de desastres empresariais já foi investigado no campo da sociologia organizacional, referindo-se à teoria da “ilegalidade útil” estudada pelo académico alemão Niklas Luhmann: “o que é útil é tolerado e a fraude foi extremamente útil para a Volkswagen durante anos”, rematou Schuetz.

O sociólogo referiu que a Alemanha é conhecida como “a terra dos carros” e há uma popularidade associada à “energia verde” que é contraproducente à indústria automóvel.

“Os fabricantes iludiram uma sociedade que está obcecada com o transporte ilimitado e sustentável mas, no fundo, ninguém fala das mortes provocadas pela poluição”, acrescentou.

O sociólogo acredita que os próximos passos do grupo Volkswagen vão passar por “livrarem-se de alguns gestores anónimos” e pot várias “táticas políticas simbólicas e distrativas”.

Schuetz declarou que “muitos dos trabalhadores do grupo Volkswagen se sentem frustrados e desiludidos” porque se identificam com a marca devido a boas condições de trabalho potenciadas pelo grupo.

O sociólogo acredita que a ligação emocional à empresa é “perigosa” sobretudo porque estão em causa possíveis despedimentos e medidas de austeridade.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Reputação do ‘made in Germany’ não será afetada pelo escândalo Volkswagen