Turismo

Revive: Governo lança concurso para concessão do Forte da Ínsua, em Caminha

Forte da Ínsua, em Caminha. Foto: Direitos reservas
Forte da Ínsua, em Caminha. Foto: Direitos reservas

O governo lançou o concurso para a concessão, por um período de 50 anos, do Forte da Ínsua, em Caminha. Imóvel integra o programa Revive.

O governo lançou esta quinta-feira, 8 de agosto, o concurso para a concessão por 50 anos do Forte da Ínsua, em Caminha. O imóvel faz parte dos primeiros 33 imóveis a integrarem o programa Revive, que visa dar uma segunda vida a património cultural e histórico devoluto através da concessão a privados para o desenvolvimento de projetos turísticos. Os investidores interessados podem apresentar propostas até ao dia 6 de novembro, indica o comunicado da secretaria de Estado do Turismo.

Localizado num ilhéu, a Ínsua de Santo Isidro, na foz do Rio Minho, junto à fronteira com Espanha, este Forte é “uma fortificação marítima abaluartada, com planta estrelada irregular, cuja construção inicial remonta a 1392, por ordem do rei D. João I. Possui no seu interior um convento, de origem franciscana, erigido na mesma altura, tendo sido ampliado e restaurado nos séculos seguintes. O Forte assumiu a forma atual, com cinco baluartes e revelim, durante a remodelação que ocorreu entre 1649 e 1652, que coincidiu com o período da Guerra da Restauração. Desde 1834, ano de extinção das ordens religiosas, que o Forte da Ínsua foi apenas ocupado pelo Exército, tendo o seu último governador sido nomeado em 1909”.

Ana Mendes Godinho, secretaria de Estado do Turismo, em comunicado, nota que “o Forte da Ínsua é uma imóvel único, que testemunhou vários séculos da história de Portugal. Dar-lhe novamente vida através do Revive é uma forma de voltar a ter um uso que lhe permitirá sem dúvida ser mais um atrativo ímpar para o posicionamento internacional de Portugal”.

Mais 15 imóveis

Em julho, o governo lançou a segunda edição do Revive, com mais 15 imóveis, como o Dinheiro Vivo tinha já avançado. Há três anos (2016), quando o governo lançou esta iniciativa, a lista contava com 33 imóveis, tendo já sido lançados 17 concursos e estando sete já adjudicados, o que representa um investimento superior a 54 milhões de euros, de acordo com números citados recentemente pelo ministro da Economia.

Os 15 novos imóveis que integram esta lista de imóveis que vão ser transformados para a atividade turística são:

– Palacete Viscondessa de Santiago do Lobão, no Porto

– Fortaleza da Juromenha, no Alandroal

– Mosteiro de S. José, em Évora

– Forte Velho do Outão, em Setúbal

– Casa do Outeiro, em Paredes de Coura

– Castelo de Almada, em Almada

– Fortaleza da Torre Velha, em Almada

– Forte da Cadaveira, em Cascais

– Quinta do Cabo das Lezírias, em Vila Franca de Xira

– Edifício Pombalino na Praça do Comércio, em Lisboa

– Casa da Igreja, em Mondim de Basto

– Quartel das Esquadras, em Almeida

– Centro Educativo de Vila Fernando, em Elvas

– Casa das Fardas, em Estremoz

– Palacete Conde Dias Garcia, em S. João da Madeira

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus portugal antonio costa

Proibidos ajuntamentos com mais de cinco pessoas. Aeroportos encerrados

Trabalhadoras de um restaurante atendem clientes em regime de take-away, devido à pandemia de covid-19, em Lisboa. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Restaurantes podem obrigar trabalhadores a entregar comida

O primeiro-ministro, António Costa, fala aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros após a Assembleia da República ter aprovado o decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até ao final do dia 17 de abril para combater a pandemia da covid-19, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 2 de abril de 2020. 
 MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Mapa de férias pode ser aprovado e afixado mais tarde do que o habitual

Revive: Governo lança concurso para concessão do Forte da Ínsua, em Caminha