festivais de verão

Rock in Rio vai ter edição na Alemanha. Festival quer chegar a 6 países

(Sara Matos / Global Imagens)
(Sara Matos / Global Imagens)

Até 2023 o Rock in Rio quer estar presente em seis países. Para além de Portugal e Brasil, já está confirmado na Alemanha.

Düsseldorf, na Alemanha, vai juntar-se à lista de países que acolhe o a cidade do rock. A confirmação foi dada ao Dinheiro Vivo pelo vice-presidente de produção e operações do Rock in Rio, Nuno Sousa Pinto.

“O objetivo é nos próximos cinco anos estarmos em seis países”, adiantou o responsável pela internacionalização do festival, à margem do Rock in Rio Academy, evento que decorre esta quarta-feira, 27, no Parque da Bela Vista, em Lisboa.

“A Alemanha é um match perfeito com os nossos valores”, assegurou Nuno Sousa Pinto que, apesar de ainda não poder avançar datas, não nega que a próxima edição do Rock in Rio seja já em Düsseldorf. “É tudo uma questão de timings“, garante.

Também o mercado chinês anda de olhos postos no festival nascido no Brasil. Já houve interessados em acolher o evento na China mas o vice-presidente de produção e operações garante que “ainda não foi encontrado o parceiro ideal” e que continuam em conversações e pesquisas não só neste mas em vários mercados.

“A Argentina é também um sonho antigo. Devido à atual situação política, o desejo está em stand by. Mas continua a ser um sonho”, acrescenta.

Em cima da mesa há várias negociações com outros países que o responsável não pode ainda desvendar.

“Nós seguimos o sonho idealizado pelo Roberto Medina (fundador) de ser uma marca mundial”, justifica Nuno, sobre a estratégia de expansão do festival.

O Rock in Rio teve a sua primeira edição em 1985 no Brasil e, desde então, já esteve em Lisboa (Portugal), em Madrid (Espanha) e em Las Vegas (Estados Unidos).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
EDP_ENGIE2

EDP e Engie investem até 50 mil milhões para serem líderes em eólicas no mar

EDP_ENGIE2

EDP e Engie investem até 50 mil milhões para serem líderes em eólicas no mar

Da esquerda para a direita: Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado das Finanças, Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens

OCDE. Dinamismo das exportações nacionais tem o pior registo da década

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Rock in Rio vai ter edição na Alemanha. Festival quer chegar a 6 países