Flores

Rosas. Portugal importa mais do que exporta

Fotografia:  EPA/FLORIAN WIESER
Fotografia: EPA/FLORIAN WIESER

UE importa 10 vezes mais rosas do que exporta. Quénia é o país que mais envia rosas para a União Europeia

A associação entre rosas e Dia dos Namorados é uma das coisas mais vulgares do dia 14 de fevereiro todos os anos. O Eurostat, o gabinete de estatística da União Europeia, fez uma avaliação deste mercado e concluiu que a região importa 10 vezes mais rosas do que exporta. Em Portugal, importamos mais rosas do que exportamos, mas a diferença é bem menor.

Entre janeiro e novembro, as importações de rosas para Portugal valeram 219 933 euros, segundo os números do Eurostat; as exportações representaram um montante um pouco mais baixo, de 139 589 euros.

A Holanda é o país que mais se destaca a nível comercial. O país das tulipas importou o equivalente a 478 milhões de euros em rosas nos primeiros 10 meses de 2018; os envios de rosas para o estrangeiro representaram 43 milhões de euros.

As importações de rosas para a União Europeia representaram um total de 624 milhões de euros entre janeiro e outubro. Quénia, Etiópia e Equador foram os três maiores mercados.

As flores enviadas da região para o estrangeiro valeram 62 milhões de euros e tiveram como principais destinos a Rússia e a Suíça.

Se acha que deve aproveitar o Dia dos Namorados para oferecer uma prenda, veja aqui algumas das sugestões que temos para si.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
imobiliario

Taxa de juro no crédito à habitação volta a subir em janeiro

O crédito à habitação foi o setor com o valor mais elevado

Redução no IMT obriga a viver seis anos na mesma casa

O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio, durante o terceiro e último dia do 37.º Congresso Nacional do PSD a decorrer no Centro de Congressos de Lisboa, em Lisboa, 18 de fevereiro de 2018. MÁRIO CRUZ/LUSA

Rio acusa Governo de ser “incapaz” de ter o futuro como prioridade nacional

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Rosas. Portugal importa mais do que exporta